Articulista & Colunista

Inclusão na escola (isso existe?)

Divulgação

Por Lucelmo Lacerda

 

Era mais um dia de trabalho de Josiane, mas neste primeiro dia de aula havia algo diferente, um aluno com autismo. Para ele, o aluno, Robson, também era tudo diferente, muita gente, barulho, novo ambiente. Como muitas pessoas com autismo, Robson tinha dificuldades de se comunicar e apresentava comportamentos agressivos. Em certo momento, teve uma crise forte e começou a se bater e a bater em outras crianças.

Josiane calculou as possibilidades: a) não faço nada e ele se machuca (me prejudico, assim como a criança); b) não faço nada e ele machuca outras crianças (me prejudico pra valer, assim como as crianças); c) o seguro e ele fica marcado, ou algo pior – alguns morrem, imobilizados de forma equivocada (prejuízo é pouco, o nome é tragédia, para todos); ou d) o seguro e rezo pra não o machucar;

Não importa o que Josiane fez, mas o fato de que matricular crianças com autismo sem que todos os funcionários da escola e especialmente os professores e auxiliares tenham treinamento em Segurança em Crises Agressivas (Protocolo SCA – com todos os procedimentos validados com testes médicos) me parece algo difícil de se chamar de inclusão (poderíamos trocar “inclusão escolar” por “matrícula na escola regular”).

Isso porque nem comecei a falar em aprendizagem, onde o buraco é ainda mais embaixo. Deixo para a próxima!

Deixe um Comentário

O Tamoios News isenta-se completamente de qualquer responsabilidade sobre os comentários publicados. Os comentários são de inteira responsabilidade do usuário (leitor) que o publica.