Caraguatatuba Meio Ambiente

Tartaruga é encontrada morta na Praia da Cocanha

Fotos: Gianni D'Angelo

Projeto Tamar fala sobre conscientização e parceria com os pescadores e Instituto Argonauta ministra palestra para monitores nas praias em Caraguá 

 

Por Adriana Coutinho

Uma tartaruga verde de aproximadamente 40 cm e cerca de 1,5 quilo foi encontrada já morta entre as malhas de rede, próxima ao ilhote da praia da Cocanha na sexta-feira (12). O animal foi recolhido pelo jornalista Carlos Marcondes, 41, durante um passeio de stand’up próximo às ilhas.

“Tenho casa na Praia de Massaguaçu há muitos anos e sempre saio para remar aqui. É um santuário de golfinhos e tartarugas, mas ultimamente tenho visto muitas redes armadas próximas ao ilhote e neste dia, infelizmente, acabei encontrando a tartaruga enroscada. Tentei soltá-la a tempo, mas aí percebi que já estava morta. Algumas pessoas também relataram que filhotes de golfinhos estão se enroscando nessas redes. Os pescadores têm que ter mais conscientização quanto a isso”, alerta Marcondes.

Anaildo Ezequiel dos Santos, 66, um dos diretores da Colônia de Pescadores Z-8 Benjamim Constant, de Caraguatatuba, falou sobre a situação. “Nós sempre orientamos os pescadores quanto aos cuidados com os animais marinhos e colocação das redes somente em áreas permitidas para a pesca. Muitas vezes são colocadas por pessoas que não têm conhecimento sobre a legislação e procedimentos, o que acaba ocasionando essas mortes”, afirma.

Atualmente existem cerca de 150 pescadores associados à Colônia em Caraguatatuba.

Segundo a coordenadora do Instituto Argonauta, Carla Beatriz Barbosa, entre os meses de dezembro e janeiro eles receberam duas tartarugas mortas oriundas de Caraguatatuba.

Já o Projeto Tamar, instituição responsável pela pesquisa, conservação e manejo das tartarugas marinhas, recebeu em dezembro, seis tartarugas vindas de Caraguatatuba – “Elas foram recolhidas e vieram para reabilitação. Uma colidiu com embarcação e as outras, problemas com lixo ou parasitismo, que são causas crônicas na região” disse José Henrique Becker, biólogo e coordenador técnico do Projeto Tamar Ubatuba.

Bruno Giffoni, também coordenador do Tamar, é o responsável pelo projeto para avaliar e mitigar a captura incidental de tartarugas marinhas na pesca. Ele falou sobre o trabalho que realizam junto aos pescadores visando envolvê-los nas ações de preservação e vê em ações como essas, importantes resultados.

“A captura incidental de tartarugas marinhas é principal ameaça a ser solucionada no mundo. Em Ubatuba fizemos uma pesquisa e monitoramento das redes por quatro anos, 24 horas por dia, para verificarmos em qual momento as tartarugas eram capturadas. Ao fim da pesquisa, ficou cientificamente comprovado que elas ficavam presas nas redes durante o dia e que os peixes, o foco dos pescadores, a maior incidência era à noite. Com isso, eles passaram a ter novas ações e diminuímos consideravelmente o número de captura incidental no município. Eles hoje são nossos parceiros. Não há como resolver um problema sem a participação deles. Ninguém quer capturar uma tartaruga, podem ser presos. Todos perdem caso isso aconteça”, diz Giffoni.

Monitores de educação ambiental do Projeto Verão no Clima e funcionários da Secretaria de Meio Ambiente, Agricultura e Pesca, da Prefeitura de Caraguatatuba, receberam treinamento ministrado pelo Instituto Argonauta.  Foram orientações de como informar os frequentadores, banhistas e turistas sobre a importância da preservação da fauna marinha, já que em muitas das praias há tartarugas, golfinhos e outras espécies. Os monitores estão trabalhando diariamente nas praias da Cocanha, Centro, Indaiá, Martim, Prainha.

Qualquer avistamento de animal marinho debilitado ou morto nas praias de Ubatuba, Caraguatatuba, Ilhabela ou São Sebastião, entrar em contato Instituto Argonauta pelo telefone 0800-6423341.

 

2 Comentários

  • Esta foto é da praia da Mococa Lado Sul onde temos encontrado tartarugas morta e em todos os casos acionado o projeto argonauta
    Este lado sul da praia da mococa tem a supervisão do projeto SOS PRAIA DA MOCOCa com a preservação do jundu, e açoes como plantio de arvoress frutiferas da mata atlantica supervizionado pela secretaria de meio ambiente.
    Projeto SOS PRAIA SDA MOCOCA tem apóio da Prefeitura Municipal de Caraguatatuba e suas secretarias. Sec, Urbanismo,Meio Ambiente, Sec. Transito(DITran), SESEP.

  • esta Foto não é da praia da cocanha e sim da Mococa Lado Sul
    Este lado sul da praia da mococa tem a supervisão do projeto SOS PRAIA DA MOCOCa com a preservação do jundu, e açoes como plantio de arvoress frutiferas da mata atlantica supervizionado pela secretaria de meio ambiente.
    Projeto SOS PRAIA SDA MOCOCA tem apóio da Prefeitura Municipal de Caraguatatuba e suas secretarias. Sec, Urbanismo,Meio Ambiente, Sec. Transito(DITran), SESEP.

Deixe um Comentário

O Tamoios News isenta-se completamente de qualquer responsabilidade sobre os comentários publicados. Os comentários são de inteira responsabilidade do usuário (leitor) que o publica.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.