Caraguatatuba Cidades

Construção de sanitários em praça histórica gera manifestação

Adriana Coutinho/TN. A Praça é denominada um patrimônio - desde 1920

Por Adriana Coutinho

A Praça Dr. Cândido Motta, na região central de Caraguatatuba, está em obras. Sanitários públicos estão sendo construídos pela Prefeitura Municipal, atendendo à solicitação de munícipes e comerciantes da região.  É um projeto piloto que prevê a continuidade das construções de sanitários em outras praças da cidade e o ponto de partida foi escolhido por ser uma das praças mais movimentadas, cercada de comércios e onde se realiza grande parte dos eventos culturais. Porém o local da obra está sendo questionado por parte da população, que não vê com bons olhos o local escolhido, cercado por monumentos e patrimônios históricos – Relógio de Sol, Marco Zero, Obelisco da Torneira, Fonte Luminosa, Coreto, assim como a Matriz de Santo Antônio.

A praça é cercada por monumentos e patrimônios históricos

Segundo relatos em documentos do Arquivo Municipal “Arino Sant’Ana de Barros” – Caraguatatuba, a praça é denominada um patrimônio – desde 1920 e é ponto de encontro social, cultural e festejos realizados pela população ao longo das décadas. Existe também a Lei 1.344, de 13 de dezembro de 2008, que declara os monumentos da Praça Dr. Cândido Motta pertencentes ao patrimônio histórico e cultural de Caraguatatuba, ficando responsáveis por sua defesa e preservação, a Prefeitura Municipal e a Fundação Educacional e Cultural de Caraguatatuba (FUNDACC). A lei é de autoria do ex-prefeito José Pereira de Aguilar. A cidade não conta com um Conselho de Patrimônio Histórico.

Rodoaldo Graciano Fachini, o caiçara Dadinho, de 75 anos, é ex-vereador (por dois mandatos) ex-presidente da Comissão Municipal de Turismo (COMTUR), possui títulos de Cidadão Benemérito de Caraguatatuba e Comenda Camanis Filho, técnico de segurança do trabalho aposentado é um dos que vêm questionando a implantação dos sanitários –  “Discordo completamente da obra neste local. É a praça mais antiga de Caraguatatuba, possui ícones de nossa história: a Matriz, o coreto, a “torneira” centenária, o relógio do Sol/ Marco zero” e a fonte luminosa. Um sanitário público é necessário, porém, logo aí? Fico admirado pela FUNDACC que deveria preservar os espaços públicos de nossa história estar de acordo”.

Fachini aponta outras opções, como sanitários no prédio do museu que podem ser abertos permanentemente ao público ou construir ao lado do museu e da loja Marabras. “Não sou contra a construção do sanitário público, mas não ali, principalmente pelo motivo de haver outras opções ao redor. Ainda dá tempo de corrigir essa escolha”.

Já o taxista Anselmo Lozano Bello, do Ponto de Táxi da praça Dr. Cândido Motta, é favorável – “deveria ter sanitários em todas as praças, assim como bebedouros. A construção do banheiro é viável e será ótimo para nós taxistas, porém será de uso geral e fico preocupado com a questão da limpeza e manutenção. As pessoas não usam com educação. Já vi de quase tudo em banheiros públicos que nós utilizamos no dia a dia” – finaliza.

Segundo o secretário municipal de Obras Públicas, Leandro Borella, apesar dos questionamentos e algumas posições contrárias, a obra permanece e estão previstos um sanitário masculino e um feminino – não haverá sanitários acessíveis nesta fase de teste do projeto, porém, após esse período, poderá ser implantado também com banheiro acessível.

Divulgação. Modelo do banheiro a ser instalado

“Estamos construindo a base, com ligação de esgoto, energia e água que deve estar finalizada até o final desta semana, quando a empresa contratada virá para implantar o banheiro, com dimensões de 1.700mm de profundidade x 2.500 mm de largura x 2.950 de altura, em aço inox na parte interna. Conta com sistema anti-vandalismo, iluminação embutida, espelho em aço e ar condicionado” – comenta. A empresa contratada é a BF Serviços Ambientais, com sede em Salvador -BA.

Borella explicita que não haverá custos para o erário público nesta fase do projeto – que está previsto até a temporada de verão.  “Neste período, testaremos a utilização dos mesmo pela população. A limpeza dos sanitários nessa fase ficará sob responsabilidade da prefeitura.” Segundo o secretário, caso não seja um projeto viável, ou a população não aprove, poderá ser retirado do local, levado para outro e a base feita será fechada. Nenhuma árvore foi retirada do local.

Deixe um Comentário