Ilhabela Polícia

Vários roubos na ciclovia não possuem Boletins de Ocorrência

Divulgação

Comandante da PM pede apoio da população em registrar B.O para eficiência das ações policiais

 


Por Leonardo Rodrigues

Casos de furto e roubo na ciclovia de Ilhabela chamam atenção de moradores e causam sensação de insegurança. Contudo, apesar de diversas ocorrências, os números de criminalidade no arquipélago estão em baixa. A Polícia Militar aponta que em muitos casos, as vítimas abrem mão do registro do Boletim de Ocorrência. O que por sua vez dificulta o trabalho policial, que monta suas estratégias de operação baseados nas informações colhidas no B.O.

Em uma semana a reportagem foi procurada duas vezes, para ouvir relatos de ocorrências de assalto na ciclovia que segue até a Vila. Contudo, sem registros na Polícia em ambos os casos.

Uma mulher, que prefere não se identificar, relata o roubo de bicicleta de seu filho na ciclovia próximo ao Mirante. Em outro, um venezuelano, intercambista do Rotary Club, foi assaltado na ciclovia enquanto passeava de bicicleta, foi ultrapassado de maneira brusca por um ciclista assaltante, que em seguida tomou o seu celular. “Ele reagiu em luta e conseguiu recuperar o aparelho. Em seguida chegaram mais dois e pegaram sua carteira, e levaram alguns dólares e dinheiro venezuelano”, comenta Roger Moran, diretor de eventos da Prefeitura, e diretor do Rotary Club.

Segundo ele, o intercambista saiu machucado do confronto com o assaltante, e desapontado com a experiência negativa. “Ele disse que apesar da situação difícil na Venezuela, nunca tinha sido assaltado. E não esperava acontecer isso em uma ilha no Brasil”.

Além do venezuelano, Moran diz também ter conhecimento de aproximadamente outros 10 casos de assalto, em um período curto de tempo. Contudo, admite estar ciente que o número de registros de Boletins de Ocorrência não acompanha os casos de criminalidade. “As pessoas não tem o costume. Você pode fazer isso (B.O.) pela internet, se não quiser se deslocar até a polícia”, sugere.

O tenente da Polícia Militar, Diniz, responsável pela base da PM na Barra Velha, afirma que não há registros recentes de ocorrências de furto, ou roubo no deck, ou mesmo na ciclovia, que segue até a Vila. Ele destaca ainda parceria com a Rocam para a realização de rondas nas proximidades. “As pessoas precisam procurar a Polícia em primeiro lugar, depois a imprensa”, destaca.

A Polícia Militar define seu plano de ação baseado nos registros de boletins de ocorrência. São esses números que vão apontar qual bairro, ou localidade que precisa maior concentração policial. De acordo com o tenente, Ilhabela apresenta queda de ocorrência nos últimos três meses. “Esse mês ainda não acabou e vamos ter uma nova diminuição. Para se ter uma idéia, há em média dois casos de furtos por mês”, cita ao comparar que em cidades vizinhas a média sobe para cerca de 30 ocorrências.

Segundo Diniz, a pessoa vítima de assalto pode também ligar para o 190 para informar o ocorrido. “Nós verificamos até os registros da Polícia Civil. É preciso a compreensão da população e registrar o Boletim de Ocorrência, não apenas visando tentar recuperar o objeto subtraído, mas também para assegurar qualidade no trabalho de Segurança na cidade”, comenta.

Eduardo Gonsales, responsável pelo comando da I Cia. do 20° Batalhão da Polícia Militar, que integram o CPI 1 (Comando de Policiamento do Interior), responsáveis pelas ações da Instituição nas cidades de São Sebastião e Ilhabela, ressalta a importância da pessoa, vítima de um crime, registrar o Boletim de Ocorrência. “Para combater o mal, precisamos analisar os sintomas. Se não tem os sintomas, que são os registros (B.O), não tem como melhorar as ações”.

O comandante lembra que há a possibilidade do registro do Boletim de Ocorrência eletrônico. “A pessoa pode registrar o B.O pela internet, e as estatísticas já são compartilhadas com a Polícia Civil também. Há um esforço em conjunto para manter a Segurança no município. Mas isso também conta com a participação da população”.

Como fazer? O serviço pela internet para registro de Boletim de Ocorrência (BO) é por meio da Delegacia Eletrônica, que pode ser acessada pelo endereço www.ssp.sp.gov.br/bo. Para registrar o BO basta preencher o formulário, seguindo as orientações que aparecem na tela do computador, de acordo com a ocorrência a ser registrada. O serviço atende casos como furto de veículo, perda ou furto de documentos, placas de veículos ou de aparelho de telefone celular, desaparecimento de pessoa e até localização de pessoa desaparecida.

Para outras ocorrências, o interessado deverá procurar pessoalmente a delegacia de polícia mais próxima do local onde ocorreu o fato, ou da própria residência. As investigações sobre crimes registrados em boletins eletrônicos são realizadas pelas delegacias de polícia das áreas ou municípios onde ocorreram os fatos. Vale ressaltar que a Delegacia Eletrônica não envia e-mails para cumprimento de intimações, nem para pedir atualização dos seus dados cadastrais. Caso receba alguma mensagem com esse teor, não acesse nenhum link, marque o remetente como SPAM e apague o e-mail de sua caixa.

Para usar a Delegacia Eletrônica é necessário ter um endereço eletrônico (e-mail), já que é enviado por e-mail um link (endereço para acesso de determinada página na internet) e uma senha para que o usuário possa imprimir o BO. Quem não tem computador em casa pode optar por espaços públicos com acesso gratuito à internet, como Infocentros, Poupatempos e Telecentros.  Para ver a lista de locais com acesso gratuito à internet, acesse http://www.ssp.sp.gov.br/bo/enderecos.aspx.

O preenchimento do formulário é fácil, mas requer atenção para garantir a correção de todos os dados informados. A ficha começa por dados como o endereço da ocorrência, prossegue com informações pessoais (nome, endereço, telefone, e-mail, número de documentos, nome dos pais, etc.) e passa para dados mais específicos sobre o ocorrido. No caso de furto de veículo, por exemplo, é preciso informar os dados do veículo, número de documentos – caso não tenham sido levados junto com o veículo. Se foram, é preciso relacionar quais foram os documentos furtados. O formulário também pede descrição do ocorrido.

Se a pessoa lembrar de algum dado, que esqueceu de informar quando preenchia o formulário, basta acessar a Delegacia Eletrônica e clicar em “Complemento do Boletim”. Basta informar o número do BO, CPF, e-mail, telefone e complementar a informação. Também é possível acompanhar online o andamento de solicitação de Boletim Eletrônico de Ocorrência. Para isso basta informar o número do protocolo do boletim, ano de cadastro da ocorrência, e-mail e CPF.

Ocorrências que podem ser registradas na Delegacia Eletrônica:

  • Furto de Veículo
  • Furto ou perda de documentos
  • Furto ou perda de placas de veículos
  • Furto ou perda de aparelho de telefone celular
  • Desaparecimento de pessoa
  • Encontro de pessoa desaparecida

Delegacia Eletrônica www.ssp.sp.gov.br/bo

Deixe um Comentário

O Tamoios News isenta-se completamente de qualquer responsabilidade sobre os comentários publicados. Os comentários são de inteira responsabilidade do usuário (leitor) que o publica.