Caiçara Cultura

Tamar promove debate sobre as comunidades tradicionais caiçaras

Encerrando o Mês da Cultura Popular, neste sábado(24), às 18 horas, na sede do Tamar, em Ubatuba, haverá lançamento do livro da jornalista sebastianense Priscila Siqueira e um debate sobre a atual situação das comunidades tradicionais caiçaras, com a participação do advogado Camilo Terra, coordenador da Coordenação Nacional das Comunidades Tradicionais Caiçaras.

O livro de Priscila Siqueira, “Genocídios dos Caiçaras, contém reportagens, envolvendo famílias caiçaras que viviam entre Paraty (RJ) e São Sebastião (SP). Como jornalista, Priscila trabalhou nas agências Folha e Estadão, cobriu com grande destaque, no período da ditadura, a expulsão dos caiçaras de suas terras e a ameaça aos índios guaranis. Foi uma das primeiras jornalistas a se dedicar ao jornalismo ambiental.

Priscila sobre a realidade dos caiçaras

Às 20h, encerrando as apresentações culturais, teremos a Dança das Fitas do Itaguá e às 20h30 apresentação cultural da Congada de São Benedito do Puruba.

A Dança da Fita é de origem europeia e representa o ciclo da árvore. No início do séc. XX um antigo pescador famoso na Enseada, entre suas muitas viagens à Santos em canoas de voga para comercializar produtos como sal, carne seca, querosene, pano, entre outras iguarias, conheceu a Dança da Fita no Litoral Sul e a trouxe para Ubatuba. Por volta de 1950, a Dança da Fita chegava ao bairro do Itaguá, naquela época com sua própria música, uma marchinha acompanhada por violas, rabecas, entre outros instrumentos.

A Congada de Bastões de São Benedito é originária da cidade de Cunha-SP. Na década de 40, purubenses e nativos congueiros de Cunha-SP trabalharam juntos na serraria instalada na Praia do Puruba. Esse encontro resultou em um compartilhamento cultural, quando os caiçaras puderam conhecer e aprender a congada de bastão.

Tamar

Divulgação/Projeto Tamar

O Projeto TAMAR começou em 1980 a proteger as tartarugas marinhas no Brasil. A Fundação Pró-Tamar executa a maior parte das ações descritas no PAN – Plano de Ação Nacional para a Conservação das Tartarugas Marinhas no Brasil do ICMBio/MMA. A Petrobras é a patrocinadora oficial do TAMAR, por meio do Programa Petrobras Socioambiental. O TAMAR trabalha na pesquisa, proteção e manejo das cinco espécies de tartarugas marinhas que ocorrem no país, todas ameaçadas de extinção: tartaruga-cabeçuda (Caretta caretta), tartaruga-de-pente (Eretmochelys imbricata), tartaruga-verde (Chelonia mydas), tartaruga-oliva (Lepidochelys olivacea) e tartaruga-de-couro (Dermochelys coriacea). Protege cerca de 1.100 quilômetros de praias e está presente em 26 localidades, em áreas de alimenta& ccedil;ão, desova, crescimento e descanso das tartarugas marinhas, no litoral e ilhas oceânicas dos estados da Bahia, Sergipe, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Ceará, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo e Santa Catarina. Em Ubatuba, recebe o apoio da Prefeitura Municipal.

%d blogueiros gostam disto: