causa animal Litoral Norte mar

Projeto Baleia à Vista lança campanha para preservar a Toninha

Foto: Júlio Cardoso

O Projeto Baleia à Vista de Ilhabela lançou uma campanha para a proteção e preservação da Toninha, uma espécie de golfinho que é bem comum no Litoral Norte e que se encontra na lista de animais ameaçados de extinção.

Segundo o Projeto Toninhas a toninha é o golfinho mais ameaçado de todo Atlântico Sul  e atualmente é a única espécie de pequeno cetáceo ameaçada de extinção no Brasil, segundo a Lista Oficial das Espécies da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção.

A toninha-comum é um cetáceo da família Phocoenidae encontrado em águas temperadas frias do hemisfério norte. É um dos menores mamíferos dos oceanos. Vive perto das zonas costeiras e em estuários.

“No verão, aumenta o número de embarcações de recreio e turismo, o risco de atropelamento é grande, até mesmo, quando as embarcações se aproxima para as pessoas fazerem fotos das toninhas”, comentou Júlio Cardoso.

Outra preocupação, segundo ele, é com a captura acidental desses mamíferos e também com o lixo, principalmente, plástico, lançados ao mar por pescadores e banhistas.

No dia 2 passado, Júlio avistou e fotografou uma Toninha(Pontoporia blainvillei) com seu filhote recém-nascido, no sul de Ilhabela.” O nascimento de um novo filhote nos da esperança, mas como a população de Toninhas esta em declínio isto tem que nos motivar a fazer mais esforços para salva-las deste fim”, argumentou.

No mesmo em que Júlio Cardoso estava feliz por ter encontrado e fotografado uma toninha e seu filhote, o Instituto Biopesca recolhia, em Praia Grande, uma toninha morta. O mamífero, um macho, adulto , que morreu ao se prender acidentalmente em uma rede de pesca.

Foto:Kaio Nunes(Biopesca) da Toninha encontrada morta em Praia Grande, após se prender, acidentalmente, em uma rede de pesca

A toninha estava muito magra, pois não tinha como se alimentar, presa na rede de pesca.  “Durante a necropsia, não encontramos nenhum alimento no sistema digestório dela, somente alguns pedaços plásticos”, contou a veterinária Pryscilla Maracini, do Biopesca.

Segundo ela, uma alternativa para evitar esse tipo de situação é cortar os lacres antes de descartá-los corretamente. “Compartilhem e nos ajudem a conscientizar mais pessoas sobre os impactos da presença de lixo nos mares”, solicitou a veterinária do Biopesca.

Segundo Júlio Cardoso, a campanha pela preservação da toninha está sendo feito junto as marinas, colônia de pescadores e com os banhistas que frequentam as praias da região, através da divulgação feita pela imprensa.

Para Júlio todos precisam se conscientizar que não se deve lançar lixo nas praias e, muito menos, no mar. “O lixo, principalmente, o plástico, coloca em risco várias espécies marinhas. Se todos colaborarem, conseguiremos manter várias espécies livres da ameaça de extinção”, finalizou.

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.