Cidades Ilhabela

Aquabus: Uma “novela” que nunca chega ao fim em Ilhabela

aquabus atracados na marina em Caraguá, sem uso desde 2016

Os aquabus- embarcações para transporte de passageiros, adquiridas por R$ 4,5 milhões, em 2015, permanecem sem uso em Ilhabela, mas a prefeitura, através da Secretaria de Desenvolvimento e Turismo, pretende “reaproveitá-los” a partir do segundo semestre de 2020. Desde 2018, as embarcações estão paradas em uma marina de Caraguatatuba a espera de uma solução

Por Salim Burihan

Os aquabus- embarcações adquiridas por cerca de R$ 4,5 milhões pela prefeitura de Ilhabela vão permanecer sem uso por mais seis meses. As embarcações estão sem uso desde março de 2015, quando foram adquiridas pelo ex-prefeito Toninho Colucci.

A informação foi dada pela secretária de Desenvolvimento Econômico e do Turismo, Bianca Colepicolo, em  entrevista concedida ao Tamoios News na sexta(6).

Ilhabela enfrenta sérios problemas de mobilidade e o uso dos aquabus poderia ser uma boa opção de transporte aquaviário durante a temporada de verão 2019/2020, mas isso não será possível, segundo Bianca.

A embarcação tem capacidade para até 60 passageiros sentados, ar condicionado, som ambiente, banheiros adaptados e local para transporte de bicicletas.

Existia uma possibilidade, em fevereiro deste ano, dos aquabus serem “emprestados” à Dersa, para serem utilizados no transporte de passageiros na travessia São Sebastião/Ilhabela, mas isso acabou não ocorrendo.

Em julho, a secretária informou ao Conselho de Turismo que pretendia utilizar pelo menos um dos três aquabus pelo período de três meses, mas a proposta acabou não sendo viabilizada.

A ideia era comprar os flutuantes, investimentos na ordem de R$ 2,5 milhões e custear R$ 430 mil na recuperação das embarcações e no sistema operacional, para usar um deles nos fins de semana, o que acabou não ocorrendo.

Segundo a secretária, os oito piers onde o aquabus vai atracar já estão construídos. A licitação para a compra dos flutuantes de metal deve ser iniciada em breve.

Os aquabus estão atracados desde 2018 em uma marina de Caraguatatuba e como não existia contrato entre a prefeitura e a marina, a administração não tinha como pagar pelo serviço.

Segundo Bianca, a sugestão foi fazer com que o proprietário da marina acionasse judicialmente a prefeitura para conseguir receber o que era devido.

Bianca comentou que a burocracia acabou travando a iniciativa, que segundo ela, deverá ser colocada em prática, possivelmente, no segundo semestre de 2020.

A prefeita Gracinha é favorável ao uso dos aquabus, que segundo ela, teriam sido adquiridos sem planejamento pela administração anterior, mas que podem se transformar em uma ótima opção para o turismo local.

Entenda

Os três aquabus foram comprados, em 2015,  pelo ex-prefeito Toninho Colucci, como opção de transporte aquaviário na Ilha.

O Tribunal de Contas questionou as licitações para compra de flutuantes e o Ministério Público do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo apontou falta de acessibilidade nas embarcações e nos atracadouros que a prefeitura pretendia construir.

Em 2018, o ex-prefeito Márcio Tenório contratou uma marina em Caraguá para deixar as embarcações ao custo de R$ 30 mil mensais.

Prefeitura gasta R$ 30 mil por mês para manter barcos em marina de Caraguá, desde 2018

Para a utilização dos aquabus a prefeitura terá que investir cerca de R$ 1 milhão na reforma das embarcações, construir ou alugar flutuantes e fazer cinco piers de atracação.

O ex-prefeito de Ilhabela, Toninho Colucci, alega que as embarcações não foram utilizadas até hoje por questões políticas. Segundo ele, a prefeitura atual não quer colocar em prática um projeto de sua iniciativa.

A secretária rebate, segundo ela, não é nada disso não. “Faltou planejamento por parte da administração anterior, foi o mesmo que comprar um avião, sem ter o aeroporto”, comentou.

Segundo ela, a atual administração quer o melhor para a cidade e, no caso dos aquabus, está procurando a melhor maneira de reaproveitá-los, atendendo as necessidades de acessibilidade nas embarcações e nos locais onde irão atracar.