Caraguatatuba Cidades

Economista recomenda ao comerciante “planejamento” para superar a crise

Economista Miguel Daoud recomenda que empresários e comerciantes se planejem para superar a crise

Por Salim Burihan

A pandemia do coronavírus vai levar o país e todo o mundo inteiro para uma recessão este ano. Não tem como.

 

A ciência se vira para tentar esclarecer e resolver a questão sanitária, mas e a financeira? Como vai ficar? A gente percebe que comerciantes e empresários de nossa região estão totalmente perdidos com essa crise econômica gerada pela Covid-19.

 

O Tamoios News “bateu um papo” no sábado a noite com o economista Miguel Daoud, um dos mais renomados do país sobre esta questão. O que devem esperar comerciantes e empresários a partir desta pandemia?

 

Formado pela PUC de São Paulo,, tendo mais de 10 anos de experiência em eventos e nos meios de comunicação, passando por programas de rádio e televisão em emissoras como Globo News, Band News, Record News, Jovem Pan e CBN, atualmente, Miguel Daoud é comentarista do Canal Rural.

 

O economista morou muitos anos em Caraguatatuba, durante a infância e sua juventude, época em que seu pai mantinha um comércio na Rua Santa Cruz, região central da cidade.

 

Palestrante e consultor, Miguel Daoud lembra, inicialmente, que vivemos uma grave crise sanitária que afeta a economia. Não é uma crise econômica, mas sim, sanitária que afeta a economia global.

 

Segundo ele, o mundo nunca tinha enfrentado uma situação parecida, nem mesmo em 1908 durante a gripe espanhola e nem em 2008, precipitada pela falência do tradicional banco de investimento estadunidense Lehman Brothers, fundado em 1850, que gerou uma crise financeira internacional.

 

“Nessa realidade sanitária e financeira que vivemos diante da pandemia do novo coronavírus temos duas incertezas: a primeira, é se vírus chegou para ficar ou vai sumir; a segunda, é sobre como vai ficar a economia”, comentou.

 

O período de quarentena e isolamento social tem afetado a todos, mas são medidas corretas para se evitar a disseminação do vírus.

 

Questionado se o comerciante ou empresário deve fechar as portas ou esperar, Miguel Daoud recomenda que aguardem entre 60 e 90 dias, quando então se terá uma avaliação mais clara da situação sanitária e, a partir dai, buscar alternativas para a retomada dos negócios.

 

“Nunca se poderia imaginar uma situação como essa, do Coronavírus, que pudesse causar tanto impacto financeiro. Poderia ocorrer algo, em função de uma guerra, mas nunca de algo que pudesse afetar todo o planeta”, contou.

 

Segundo ele, a primeira coisa é procurar entender o que está ocorrendo; a segunda, é saber como será o apoio do governo para as pequenas e médias empresas. É preciso saber como será feito isso. O pequeno e médio empresário tem que buscar informações e ser informado sobre isso para ter acesso a ajuda que virá do governo federal.

 

Segundo ele,  o pequeno e médio empresário tem que estar preparado para o caso de ocorrer uma recessão acelerada, caso contrário, não conseguirá sobreviver a crise econômica.  O recado é simples, o comerciante  deve se planejar e se preparar para sobreviver financeiramente após o coronavírus.