Caraguatatuba Cidades

Pets: Raquel e sua paixão por coelhos

A empresária Raquel Sousa Ribeiro nunca imaginou que teria 19 coelhos de estimação no quintal de sua casa, no jardim Britânia, em Caraguatatuba. Tudo começou quando ela aceitou a primeira coelha, que a filha, Maria Eduarda, comprou junto com o namorado.

“Fomos passear em Paraibuna e levamos a Atena e no local havia um coelho macho, que estava todo machucado. Pedimos ao dono para cuidarmos daquele coelho, que prontamente aceitou”. Raquel conta que naquela época não entendiam muito do universo dos coelhos.

“Em 15 minutos, mesmo debilitado, ele cruzou com nossa Atena e caiu desmaiado! Levamos um susto e começamos a gritar. O antigo dono veio e nos avisou que eles haviam cruzado e que após 30 dias iriam nascer cerca de 10 coelhos. Dito e feito”, relembra Raquel.

Da primeira cria de Atena nasceram os 10 coelhos, 8 sobreviveram. “Mantínhamos o Teo preso, mas depois de 15 dias que Atena deu cria, não sei o que aconteceu que ele escapou e Atena ficou prenha novamente. Depois de 30 dias nasceram 9 coelhos, morreu apenas um.

Teo e Atena, o casal reprodutor

“Morávamos em uma casa que não tinha quintal e fomos obrigados a mudar. Nos apegamos a todos e não queríamos dar e por isso mudei para o jardim Britânia. Nos primeiros dias na casa nova, o Teo conseguiu escapar, porque ainda não tinha o espaço dele e novamente pegou a Atena. Dessa vez nasceram 8 e um morreu. Ficamos com mais de 20 coelhos. Com muito custo consegui doar 6. No momento tenho 19 coelhos”, conta a empresária.

Raquel tem um gasto médio mensal de cerca de 500 reais com os coelhos. “Isso se nenhum deles ficar doente e precisar de cuidados especiais. Compro verdura um dia sim e um não. A alimentação deles é composta por 40% verduras, 40% feno e 10% ração. Comem frutas, couve e cenoura uma vez por semana”, explica.

O feno ela compra pela internet, fardos de 20 ou 30 quilos. “Deixo o feno em caixotes de pallets, pois além de comer o feno, eles precisam roer os caixotes para desgastar os dentes. Se eles não roerem precisam fazer uma cirurgia nos dentes que é muito cara. Então não podem faltar caixotes! ”

Bichinhos vivem em caixotes

As pessoas oferecem dinheiro pelos coelhos, mas Raquel não consegue se desfazer de nenhum deles. Conhece todos pelo nome e observa diariamente o comportamento de cada um.

“Por ser um animal exótico, não é qualquer veterinário que cuida, a consulta para um coelho chega a ser o triplo do que cobram para cães e gatos. Observo se todos estão fazendo cocô e xixi, se estão tristes e quietinhos. Tenho uma atualmente que está com problema na visão e todo dia eu coloco soro fisiológico e limpo os olhinhos dela, além de colocar remédio.

Coelhos se alimentam com feno

As pessoas se encantam, mas tudo tem um preço e não é só financeiro”, alerta. “Mas para mim vale a pena! Não consigo mais viver sem eles”. Além dos 19 coelhos, Raquel tem dois cachorros, uma gata e o mais novo integrante da família, um pintinho.