Caraguatatuba Cidades

Polícia segue sem pistas de Felipe Tiago acusado pela morte de Cristina Novaes

A Polícia Civil de Caraguatatuba ainda não conseguiu localizar e prender Felipe Tiago Fet Lino, de 31 anos, acusado de matar Cristina Coelho Novaes, de 32 anos, filha de um renomado médico veterinário, em 16 de novembro passado.

Felipe encontra-se foragido. Segundo informações, logo após o crime ele teria deixado a região com destino a São Paulo ou Rio de Janeiro.

O Setor de Investigações informou que a última denúncia recebida era de que Felipe Tiago estaria escondido na capital paulista.

Felipe Tiago está com mandado de prisão e é procurado em todo o país, através do o Cadastro Nacional de Presos( procurados e foragidos).

Ele tinha saído da penitenciária há dois meses, onde teria cumprido pena de sete anos por tráfico de drogas, quando cometeu o crime.

Segundo informações, é um sujeito de bom papo, alegre, extrovertido, mas muito cruel. A polícia civil de Caraguatatuba suspeita que ele praticado outro crime, ainda sem solução, ocorrido na cidade há oito anos.

De acordo com o Setor de Investigações, “o modus operante” desse crime foi muito parecido com o que foi praticado por Felipe Tiago em novembro deste ano.

O caso somente poderá ser confirmado a partir da prisão dele. O crime ocorrido há oito anos também envolvia uma mulher, cuja ossada teria sido encontrada em um bairro da cidade.

 Procurado

Felipe Tiago tem cerca de 1,80 de altura, cabelos pretos e tatuagens nas mãos. Trata-se de uma pessoa extrovertida e de boa conversa.

Se tiver informações dele ligue para o 190 e ajude a polícia a encontrá-lo.

Crime

Cristina Coelho Novaes, de 32 anos, filha de um renomado médico veterinário da cidade, veio de São Paulo para passar o feriado da Proclamação da República em Caraguá.

Ela ficou hospedada na casa do irmão, no bairro do Tinga. Na noite do dia 15 deixou a casa dele e não foi mais vista. Amigos e familiares noticiaram o sumiço dela através das redes sociais.

No dia 17, no final da tarde, um corpo foi localizado em uma córrego no bairro do Poiares. Era o corpo de Cristina. Ela estava nua, com as mãos amarradas. O corpo estava enrolado em um cobertor e envolto em um plástico.

Assassino levou corpo em carrinho de supermercado: Reveja o vídeo:

 

O delegado de Caraguatatuba Jairo Luis Pinto Pontes, que assumiu as investigações, conseguiu através de imagens de câmeras de monitoramento identificar o autor do crime no dia 21.

Delegado Jairo Pontes conseguiu esclarecer e identificar o responsável, dois dias após o crime

Pontes e sua equipe de investigadores utilizaram a tecnologia- imagens de câmeras de monitoramento e as informações dadas por uma testemunha para identificar o autor do crime que abalou a cidade.

O delegado obteve autorização do Ministério Público e da justiça para a prisão dele, mas Felipe Tiago já tinha fugido.

Na casa do assassino, na noite do dia 21 de novembro, a polícia com uso de luminol, identificou sangue da vítima em um colchão, possivelmente, resultado de violência sexual praticada por ele e, também, em uma bermuda, que o assassino teria usado no dia do crime.

O laudo do IML(Instituto Médico Legal) constatou que Felipe Tiago matou Cristina por asfixia causada por estrangulamento ou enforcamento- uma corda foi encontrada no pescoço dela.

Cristina teria sido assassinada num dos cômodos da casa onde o assassino morava com a avó, a mãe e uma tia. A família estava no local durante o crime, mas não percebeu nada. Felipe utilizou um carrinho de supermercado para levar o corpo de Cristina até o córrego, no bairro do Poiares.

Os dois, assassino e vítima, não se conheciam, se encontraram, possivelmente, em bar, no Poiares. Cristina, sem saber, acabou nas mãos de um assassino cruel e frio.