Cidades Ilhabela

Senador, prefeitos, políticos e moradores lamentam ataques racistas contra a prefeita Gracinha

A prefeita de Ilhabela, Gracinha, foi vítima de ataques racistas em sua cidade. Várias autoridades da Ilha e região condenaram as ofensas racistas sofridas pela prefeita, que é  a primeira prefeita negra de Ilhabela e a única mulher a ocupar o cargo, atualmente, no Litoral Norte

Por Salim Burihan

Várias autoridades da Ilha e da região lamentaram os ataques racistas feitos através das redes sociais contra a prefeita de Ilhabela, Maria das Graças Ferreira dos Santos Souza, a Gracinha.

Gracinha teria sido chamada de negra, de possuir cabelo ruim, entre outras ofensas. O caso está sendo apurado pela Polícia Civil de Ilhabela.

“É um absurdo o fato narrado pela prefeita. Ela é uma pessoa humilde e é preciso respeito. Ataque racista é inadmissível é a prefeita está corretíssima em tomar as providências”, comentou o presidente da Câmara de Ilhabela, Marquinhos Guti.

Ex-prefeito  Colucci considerou lamentável o ataque racista contra Gracinha

“Lamento muito este tipo de atitude. Não existe nada mais deprimente que práticas racistas. Sou filho de pai italiano e mãe portuguesa e tenho muito orgulho da miscigenação brasileira e do respeito aos negros em nosso país. Lamentável o que ocorreu com a prefeita Gracinha”, afirmou o ex-prefeito Toninho Colucci.

Senador Major Olímpio e Marquinhos Guti lamentaram o ocorrido

“Nossa, que triste ainda acontecer esse tipo de coisa. Um absurdo!”, comentou o senador paulista Major Olímpio, através de sua assessoria. O senador, que é cidadão ilhabelense, frequenta e tem casa de veraneio na Ilha.

O prefeito de Ubatuba, Délcio Sato, lamentou o caso e se manifestou: “Manifesto aqui, publicamente, meu apoio a prefeita de Ilhabela Gracinha. Repúdio quaisquer formas de discriminação e de preconceito racial. Vivemos em um novo tempo que não cabe mais este tipo de mentalidade, este tipo de contaminação que ofende cor, religião e orientação sexual”.

O prefeito de Caraguatatuba, Aguilar Júnior, também condenou as ofensas racistas contra a prefeita da Ilha. “É inconcebível que nos dias de hoje ainda existam pessoas capazes de cometer atos de discriminação por conta de raça, cor, credo ou qualquer outro tipo de diferença. Repudio atos de racismo e me solidarizo com a prefeita Gracinha neste momento. Nossa nação é feita de diversidade e isso é algo que nos torna especiais. Preconceito é crime e precisa ser combatido”, comentou.

Prefeito de Caraguá, Aguilar Júnior, também condenou ofensas raciais contra Gracinha

Felipe Augusto,  repudiou veemente todos os ataques feitos à prefeita Gracinha. “É inadmissível que em pleno século 21 as pessoas ainda pensem dessa forma. Qualquer preconceito deveria ser abolido da nossa sociedade. É lamentável esse tipo de comportamento”, disse.

Para Felipe Augusto ““é inadmissível que em pleno século 21 as pessoas ainda pensem dessa forma.”

O prefeito comentou ainda acreditar na justiça. “A democracia existe, mas o direito de um acaba quando começa o do outro. As pessoas devem ser respeitadas, e quando isso não acontece existem os meios legais para preservar nossos direitos”, concluiu.

Nas redes sociais, moradores e internautas também criticaram ofensas racistas contra a prefeita. Ana Paula Jesus, afirmou: ” Que mundo é esse que estamos vivendo pelo amor de deus quanta falta de amor de respeito de carinho estamos vivendo em um mundo horrível cheio de monstros pessoas mal amadas e pessoas invejosas deus tenha misericórdia”.

Triste! Que os culpados sejam punidos para que sirva de exemplo! Inadmissível !!!!! “, afirmou a internauta Corina Bremer.  Jurandir Guimarães disse que ” Em vez de evoluirmos, andamos para trás. Este é o triste destino de um país onde o povo perdeu o senso de ética e moral.”

Entenda

A prefeita Gracinha foi vítima de ataques racistas nas redes sociais. Ela fez boloetim de ocorrência e a polícia está investigando o caso.

Os responsáveis pelos ataques feitos à prefeita seriam uma mulher, L.Z e um homem, L.C, ambos de Ilhabela. Os dois poderão ser denunciados por injúria, difamação e racismo.

A prefeita prestou depoimento nesta segunda na Delegacia da Ilha. Ela foi ouvida pelo delegado José Vinciprova Sobrinho. As pessoas responsáveis pelos ataques racistas já teriam sido intimidadas e devem ser ouvidas pela polícia nos próximos dias.

Assim que for concluído o inquérito na Polícia Civil, o caso será encaminhado ao Ministério Público de Ilhabela, que poderá ou não denunciar à justiça, os responsáveis pelas  ofensas racistas feitas contra a prefeita.

A prefeita Gracinha disse que é negra e tem orgulho de sua cor e do cabelo que tem. “Não tenho vergonha de ser negra e do cabelo que tenho. Tenho orgulho. Fico triste com tudo isso”, lamentou

Segundo Gracinha, trata-se de um ataque pessoal, contra a sua pessoa, por isso, estaria tomando as providências cabíveis. “Não posso aceitar esse tipo de ofensa. É pessoal”, disse.

Ela disse que tomou as devidas providências também em defesa de sua família. “Foi um ataque publico, através das redes sociais que atingiram meus filhos e meus netos. Fiquei muito magoada e ofendida. É triste saber que ainda hoje existem pessoas racistas”, alegou.

A prefeita falou ainda que o que vale não é a cor ou o tipo de cabelo e sim o respeito, a dignidade, a honestidade  e o compromisso com a causa pública. “Vou acionar meus advogados e tomar as providências cabíveis para que isso nunca mais se repita. Não dá mais para aceitar esse tipo de ofensa, o racismo, o preconceito…”, comentou.

Gracinha disse ainda que aceita reclamações e questionamentos sobre a sua gestão, através das redes sociais. Isto, segundo ela, faz parte da democracia, mas lamenta os ataques pessoais.  A prefeita já denunciou várias pessoas por ataques pessoais, mas este último, segundo ela, teria sido o primeiro com motivação racista sofrido por ela.

Gracinha

Maria das Graças Ferreira dos Santos Souza, a Gracinha, de 58 anos, é a primeira prefeita negra de Ilhabela e a segunda mulher a ocupar a prefeitura da cidade. É a única prefeita em exercício no Litoral Norte.

Gracinha é natural da cidade de Uruçuca, na Bahia, mas vive há 45 anos em Ilhabela. É casada, têm três filhos e nove netos. Gracinha sempre foi ligada as causas comunitárias de Ilhabela, como Pastoral da Criança, entre outras.

Na política foi eleita vereadora em três mandatos, 1996, 200 e 2012. Foi também presidente da Câmara da Ilha, em 2012.

Em 2016, foi vice-prefeita na chapa de Márcio Tenório, eleito prefeito. Gracinha assumiu a prefeitura em maio do ano passado, quando Tenório foi cassado pela Câmara de Vereadores.

Gracinha

A prefeita de Ilhabela, Maria das Graças Ferreira dos Santos Souza, a Gracinha, foi vítima de ofensas racistas nas redes sociais.

A prefeita Gracinha, de 58 anos, é a primeira prefeita negra de Ilhabela e a segunda mulher a ocupar a prefeitura da cidade. Ela é a única prefeita em exercício aqui no Litoral Norte. Gracinha é casada, têm três filhos e nove netos.

A prefeita fez boletim de ocorrência denunciando dois internautas da cidade por difamação, injúria e racismo.

A prefeita já prestou depoimento nesta terça-feira. Os dois internautas denunciados por ela devem ser ouvidos pela polícia nos próximos dias.

A prefeita também vai acionar os dois internautas na justiça comum.

A prefeita comentou que aceita reclamações e questionamentos sobre a sua administração, mas que não pode aceitar ofensas pessoais e racistas contra a sua pessoa.

Ela disse que tem orgulho de ser negra e que não imaginava que um dia poderia ser vítima de ataques racistas.

A prfefeita que é natural da bahia, vive a 245 anos em Ilhabela onde já foi vereadora por três mandatos e presidente do legislativo local.

Salim burihan, do portal tamoios News para a rádio bandeirantes.   .

Na política foi eleita vereadora em três mandatos, 1996, 200 e 2012. Foi também presidente da Câmara da Ilha, em 2012.

Em 2016, foi vice-prefeita na chapa de Márcio Tenório, eleito prefeito. Gracinha assumiu a prefeitura em maio do ano passado, quando Tenório foi cassado pela Câmara de Vereadores.

Gracinha

Maria das Graças Ferreira dos Santos Souza, a Gracinha, de 58 anos, é a primeira prefeita negra de Ilhabela e a segunda mulher a ocupar a prefeitura da cidade. É a única prefeita em exercício no Litoral Norte.

Gracinha é natural da cidade de Uruçuca, na Bahia, mas vive há 45 anos em Ilhabela. É casada, têm três filhos e nove netos. Gracinha sempre foi ligada as causas comunitárias de Ilhabela, como Pastoral da Criança, entre outras.

Na política foi eleita vereadora em três mandatos, 1996, 200 e 2012. Foi também presidente da Câmara da Ilha, em 2012.

Em 2016, foi vice-prefeita na chapa de Márcio Tenório, eleito prefeito. Gracinha assumiu a prefeitura em maio do ano passado, quando Tenório foi cassado pela Câmara de Vereadores.

error: Alerta: Conteúdo protegido!