Geral Ilhabela

Temporada 2019 registrou recorde de baleias no litoral norte

Foto-Júlio Cardoso

A temporada de passagem de baleias Jubartes pelo litoral norte em 2019 registrou número recorde de animais.  As baleias atraíram a atenção das prefeituras e dos turistas. Medidas foram adotadas para a preservação da vida dos animais durante as observações e durante a passagem delas pela “rota” das balsas. Tudo indica que em 2020 o número de baleias deve aumentar ainda mais na região

Por Salim Burihan

Este ano, as baleias começaram a chegar mais cedo na região, no final de maio e continuaram passando por aqui até o final de agosto.

Em 2018 o Projeto Baleia a Vista tinha feito 26 registros de 42 jubartes , entre junho e o início de setembro.

Durante a temporada deste ano, além do Projeto Baleia a Vista, o Viva Baleias, também sediado em Ilhabela, atuou no registro da passagem dos animais pela região.

Segundo Júlio Cardoso, do Baleia a Vista, que registra a presença de baleias por aqui desde 2004, entre maio e agosto deste ano, foram feitos 66 registros da passagem de 101 jubartes.

A avistagem foi feita através de saídas, quase que diárias de lancha, pelo canal e praias da ilha. Cardoso e Arlaine Francisco, munidos de binóculos e máquinas fotográfica, instrumentos utilizados na “caça” aos animais fizeram registros importantes e boas imagens. Suas fotos foram destaques em sites, jornais, revistas e emissoras de televisão.

Júlio Cardoso e Arlaine Francisco na “caça” as baleias em Ilhabela

O pessoal do Viva Baleias, no mesmo período, nas avistagens feitas em  um ponto fixo  na região do Borrifos, no sul da ilha, foram registradas 370 baleias, entre junho e setembro.

Os ambientalistas explicam que podem ter sido feitos registros da passagem da mesma baleia uma ou duas vezes, mas que muitos animais também teriam passado, sem serem vistos e catalogados. O pessoal do do Viva Baleias utilizou até drones para acompanhar e filmar as baleias. Conseguiram imagens maravilhosas:

Cardoso destaca que ainda não se tem uma explicação precisa sobre o porquê do aumento da presença desses animais na região nos últimos anos.

“Temos mais perguntas do que respostas sobre o porquê do aumento delas no Litoral Norte. Precisamos aprofundar a pesquisa neste sentido”, justificou Cardoso, que aponta inicialmente, cinco possibilidades.

A primeira é que a população de jubartes no Atlântico Sul esta crescendo numa estimativa de 10% ao ano, há alguns anos e isso faz com que a maioria da população seja de baleias mais jovens( isso teria sido constatado durante a passagem delas por em Ilhabela ) e são baleias que estão buscando novas áreas para ocupar, tanto para alimentação como para procriação.

Outra possibilidade seria que as jubartes passam o verão na região subAntártica (na área das Ilhas Geórgia do Sul) se alimentando de Krill (que é a dieta preferida delas por ser fácil de capturar e muito nutritivo)  e o habito conhecido era fazer toda a migração para a região nordeste (Abrolhos e mais ao norte) durante o inverno, sem precisar se alimentar, usando a reserva de gordura acumulada.

“Algo esta mudando e ainda não sabemos se com o aumento da população das jubartes  e com a pesca do Krill, que foi liberada há alguns anos, elas estão tendo dificuldade de encontrar toda a alimentação que necessitam nas áreas tradicionais e estão buscando novas áreas”, suspeita Cardoso.

“Isto já estaria a ocorrendo na região da Patagônia Argentina (Golfo de San Jorge) onde nossos parceiros locais informam que a presença das jubartes lá tem aumentado muito nos últimos anos. Lá elas estão buscando e conseguindo se alimentar”, conta.

Segundo Cardoso, por aqui já se tem registros de jubartes buscando alimentos, tentando se alimentar com cardumes de peixes e camarões, mas as baleias ainda não conseguiram achar comida em abundancia por aqui, se acharem, com certeza, isso poderá aumentar ainda mais a presenças delas no Litoral Norte.

Cardoso chama a atenção para um detalhe, registrado neste ano e, também, no ano passado, que foi o nascimento de filhotes aqui pela região. Segundo ele, isso pode ser um indicador de que elas não estão apenas passando, mas eventualmente ficando um pouco mais de tempo por aqui.

“A presença das jubartes pela nossa região pode ser definida como uma ocupação de uma área onde elas frequentavam muito, talvez, séculos atrás, antes que a caça quase as levou a extinção e agora estão voltando”, avaliou.

Na temporada deste ano, centenas de turistas desceram a serra em direção a Ilhabela e São Sebastião para tentar avistar as baleias.  Aumentou muito, também, a presença de embarcações, no canal de São Sebastião e em praias da ilha.

O projeto Baleia a Vista precisou  divulgar normas e regras de observação junto as marinas para garantir a segurança dois animais e, também, dos ocupantes dos  barcos.

Muitas embarcações desconheciam as regras de aproximação colocando em risco a vida dos animais e de seus ocupantes

Cardoso também conseguiu apoio Dersa para suspender a operações das balsas quando as baleias passavam pelo canal entre São Sebastião e Ilhabela.  Foram ações de grande importância para a preservação  dos animais.

Para o turismo de natureza e a valorização do nosso litoral a passagem das baleias gerou boas expectativas.  As prefeituras de Ilhabela e São Sebastião iniciaram projetos para estimular este tipo de turismo.

“ O turismo responsável e sustentável de avistagem de cetáceos é um grande segmento turístico, que fatura alguns bilhões de dólares no mundo todo e emprega milhares de pessoas e é um importante auxiliar das pesquisas sobre os cetáceos”, explica Cardoso.

Segundo ele, aqui na nossa região, tanto em São Sebastiao, com o na Ilhabela, as avistagens, pelos turistas pode ser feita a partir de pontos fixos (mirantes) ou embarcada, embarcações cadastradas e preparadas para este tipo de turismo de observação.

“Poderemos desenvolver um novo tipo de atração turística fantástica, porem feita de forma organizada e responsável, como se faz em todos os lugares do mundo desenvolvido e vem sendo feita na  Bahia e em Vitoria (ES) com o apoio do Instituto Baleia Jubarte”, prevê Cardoso..

Ele disse que cabe as prefeituras, especialmente as de Ilhabela e São Sebastião, incentivar e organizar esse turismo para que ele possa ocorrer e progredir de forma sustentável .

Tudo indica que na próxima temporada de avistagem em 2020 as baleias serão uma nova e rentável atração turística do Litoral Norte. Com programas(passeios) de observação por terra e mar, palestras e exposições.