Caraguatatuba Cidades

Covid-19: Água do mar pode ou não transmitir o novo coronavírus?

Milhares de pessoas continuam indo às praias durante a pandemia de coronavírus. Para a maioria delas, caminhar pela orla ou praticar atividade esportivas, como o surf, ajuda a superar o estresse psicológico causado pela quarentena.

No Litoral Norte, as prefeituras proíbem o acesso às praias e até o estacionamento na orla. As medidas visam evitar as aglomerações a beira mar e impedir a propagação do vírus. Nos fins de semana, a fiscalização percorre as praias, alertando aos banhistas para que deixem a orla.

O Tamoios News fez uma pesquisa nas redes sociais para saber o que os especialistas pensam sobre isso. Quais os riscos oferecidos para quem vai à praia? O vírus pode ser transmitido pela água do mar? O esgoto lançado nas praias pode transmitir o vírus?

Em uma entrevista ao Los Angeles Times, a cientista Kim Prather, que havia afirmado, anteriormente, que  a SARS-CoV-2, o vírus que causa o COVID-19, poderia entrar no oceano – através de esgoto bruto ou mal tratado, mudou de opinião.

Kimberly Prather

Kimberly Prather é uma cientista americana que é química atmosférica e professora na Instituição Scripps de Oceanografia e no departamento de química e bioquímica da UC San Diego, na Califórnia.

“ Parece-me que qualquer vírus que entre na água do mar seria desativado rapidamente, se não pela água salgada e pelos poluentes da água e da luz do sol. Além disso, é improvável obter partículas de vírus bastante diluídas da água e ir ao ar em quantidades suficientes para representar um risco significativo”, disse.

.As informações sobre transmissão pela água fornecidas pelos Centros de Controle de Doenças dos EUA sugerem que isso é muito improvável a contaminação da COVID-19 pelo mar.

Não há evidências de que o COVID-19 possa ser transmitido aos seres humanos através do uso de piscinas, banheiras de hidromassagem ou spas, por exemplo. A operação, manutenção e desinfecção adequadas de piscinas, banheiras de hidromassagem ou spas devem inativar o vírus que causa o COVID-19.

 Atualmente, o risco de transmissão do vírus que causa o COVID-19 através de sistemas de esgoto é baixo. Embora a transmissão do vírus que causa o COVID-19 através do esgoto possa ser possível, não há evidências até o momento de que isso tenha ocorrido.

As informações disponíveis sugerem que as práticas comuns de cloração do sistema de águas residuais podem ser suficientes para desativar os coronavírus, desde que as concessionárias monitorem o cloro disponível  durante o tratamento para garantir que ele não tenha sido esgotado.

A ABC News abordou o assunto, em sua edição de 20 de abril, aproveitando que alguns estados, como a Flórida, pretendiam reabrir suas praias.

Uma pesquisa feita pela ABC News mostrou que a SARS, pode sobreviver 12 dias em água da torneira à temperatura ambiente, dois a três dias em águas residuais à temperatura ambiente e muito mais tempo em ambas as temperaturas mais baixas, de acordo com o Dr. Ian Pepper, PhD, diretor de o Centro de Tecnologia Sustentável em Água e Energia da Universidade do Arizona (WEST). Dr. Pepper é um microbiologista ambiental.

Dr. Ian Pepper

A sobrevivência do coronavírus na água levou os laboratórios de todo o país(EUA) a começar a usar o monitoramento do esgoto como um meio de rastrear o COVID-19.

Embora gotículas infecciosas possam contaminar a água e o vírus tenha sido detectado nas águas residuais, os especialistas concordam que, quando ele entra em grandes massas de água – como lagos, rios e oceanos – a concentração do vírus seria tão diluída que seria difícil constatá-lo.

De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças(EUA), não há evidências de que as pessoas possam ser infectadas por meio de natação recreativa, e “espera-se que o risco de transmissão do COVID-19 pela água seja baixo”.

Dr. William Schaffner

“É extraordinariamente improvável”, disse o Dr. William Schaffner, MD, professor de medicina preventiva e doenças infecciosas no Vanderbilt University Medical Center. Ele é especialista em Doenças Infecciosas, Medicina Preventiva e Política de Imunização.

A água da torneira é segura, de acordo com a Agência de Proteção Ambiental(EPA), e que piscinas, banheiras de hidromassagem e outras fontes de água clorada não são uma preocupação, porque o cloro na água inativa o vírus, interrompendo a sua transmissão.

Embora os especialistas concordem que é improvável que você seja infectado pelo COVID-19 ao nadar no mar, a preocupação deles é outra: a redução do distanciamento social, fundamental para impedir a disseminação do vírus, pode elevar o risco de contágio.

Atividades a beira mar, segundo eles, são naturalmente sociais; as praias ficam agitadas quando o clima esquenta, atraindo muita gente, as pessoas se amontoam sob guarda-sóis e deitam-se lado a lado em toalhas, compartilham uma cerveja ou um refrigerante. Embora considerem a água em si é segura, os especialistas concordaram que muitas das outras atividades que acompanham um dia na praia não são.

Dr. Benjamin Gewurz

O Dr. Benjamin Gewurz, MD, PhD, médico de doenças infecciosas e presidente associado do Programa de Pós-Graduação em Virologia de Harvard, enfatizou que o principal modo de infecção por COVID-19 ainda é a transmissão de pessoa para pessoa, e o principal motivo para evitar uma diversão, principalmente, na praia, seria manter uma distância segura de outras pessoas que poderiam estar infectadas. Isso é particularmente importante, pois as pessoas podem ter COVID-19 e não apresentar os sintomas.

“Quando começamos a abrir a sociedade e dar pequenos passos para nos tornarmos mais normais, acho que o distanciamento social precisa ser mantido”, recomendou Schaffner.

error: Alerta: Conteúdo protegido!
%d blogueiros gostam disto: