Caraguatatuba Cidades São Sebastião

EDP intensifica presença feminina na liderança

Tradicionalmente marcado pela presença predominantemente masculina, o setor elétrico brasileiro passa por transformações. A participação feminina está ganhando força e se expandindo, com mais mulheres chegando a posições na alta gestão. Este é o cenário da EDP, empresa que atua em toda a cadeia de valor do setor elétrico e que, recentemente, realizou mudanças em sua alta liderança em alinhamento com suas políticas de inclusão e diversidade.

Em fevereiro, a Companhia anunciou Fernanda Pires como a executiva responsável pela recém-criada vice-presidência de Pessoas e ESG, cadeira focada no reforço da incorporação de temáticas ambientais, sociais e de governança corporativa aos negócios e no aumento da sua integração nos processos de tomada de decisão. Trata-se da primeira mulher a ocupar uma vice-presidência na EDP, no Brasil.

Até então, Fernanda atuava como codiretora de Pessoas, Digital e Sociedade e foi sob a sua gestão que, em 2019, foi lançado o Programa de Inclusão e Diversidade EDP, visando a estimular a cultura e os princípios da companhia. “Estou honrada com a confiança depositada em mim e no meu trabalho. Entendo que a diversidade é o caminho para que possamos fortalecer nossa cultura e o senso de pertencimento dos colaboradores, além de potencializar os pilares de inovação e criatividade na EDP. Vamos continuar seguindo essa trajetória com cada vez mais iniciativas voltadas a aumentar a representatividade de grupos socialmente minorizados”, declara.

Além disso, o Conselho de Administração da Companhia, que já contava com a participação de Juliana Rozenbaum, ganhou a participação de Vera Pinto Pereira e Ana Paula Marques. Com isso, a EDP agora conta com 33% de representação feminina nessa instância administrativa, o triplo da média nacional.

 Metas de diversidade

Aumentar a presença feminina no quadro de colaboradores e nos cargos de liderança está entre as metas da EDP para promover a inclusão e ampliar a diversidade. Até 2022, a Companhia estabeleceu o compromisso de ter ao menos 20% de mulheres na liderança, e 30% de mulheres no quadro geral de colaboradores. No mesmo intervalo, 50% dos novos contratados pela empresa deverão ser provenientes de grupos, hoje, sub-representados (mulheres, negros, pessoas com deficiência, 50+, LGBTI+ etc).

Dia da Mulher: desenvolvimento profissional em uma visão de 360 graus

Em 2021, uma das primeiras iniciativas da EDP para discutir a valorização da mulher em casa e no mercado de trabalho será uma live marcada para o dia 9 de março, terça-feira, às 17h, no Youtube. O debate abordará os desafios de equidade de gênero dentro e fora das organizações e terá abertura de João Marques da Cruz, CEO da EDP no Brasil, participação de Fernanda Pires (Vice-Presidente de Pessoas e ESG da EDP), Lisiane Lemos (Forbes Under 30 e LinkedIn Top Voices), Bruno Scaldaferri (Superintendente de RH, Banco Santander) e mediação de Margareth Goldenberg (Líder do Movimento Mulher 360).

Na ocasião, a EDP anunciará o Conexão Mulheres EDP, programa de desenvolvimento para as colaboradoras da Companhia, e a adesão ao Movimento Mulher 360, que há dez anos atua em parceria com diversas empresas do setor privado. Entre os objetivos do movimento está o de engajar as empresas em ações concretas de empoderamento econômico do seu público interno feminino e, gradualmente, expandir essa atuação para mulheres nas comunidades e cadeia de fornecedores, promovendo no longo prazo mudanças na sociedade de uma forma mais ampla.

Conexão Mulheres EDP: programa para fortalecer a rede de mulheres e impulsionar seu desenvolvimento na Companhia. A iniciativa terá duração de 12 meses e contemplará uma trilha com temas como vieses de gênero, liderança estratégica e síndrome da impostora, além de contar com módulos de formação para sessões de mentoria.

De acordo com Fernanda Pires, “o programa é uma das ações afirmativas que refletem, na prática, o compromisso da EDP de ampliar a representatividade a partir de uma jornada de autoconhecimento e reflexão, compartilhando experiências e aprendizados em torno dos desafios de equidade de gênero para mulheres e homens na Companhia”.

A Empresa também vai anunciar o Desafio EDP de Empreendedorismo Periférico, uma imersão em inovação e empreendedorismo, em parceria com o Instituto das Pretas. A iniciativa terá o objetivo de potencializar negócios liderados por mulheres em situação de vulnerabilidade social em São Paulo e Espírito Santo. Ao todo, serão 20 dias de atividades e 20 negócios previamente selecionados mediante inscrição online na plataforma Energizze, do Instituto EDP.

Voluntariado

Por fim, a Companhia também participará de uma iniciativa junto à Organização Social “Cruzando Histórias”, iniciativa em que voluntários serão engajados a participar de uma agenda de formação em escuta ativa e comunicação não violenta, com o objetivo de atuarem em sessões de escuta junto a mulheres em situação de vulnerabilidade social.

“Nosso objetivo, a partir destas iniciativas, é engajar as pessoas e outras lideranças, dentro e fora das organizações, fortalecendo o papel ativo que todos e todas nós devemos exercer para que esta mudança realmente aconteça”, conclui Fernanda.