São Sebastião Ubatuba

Moradores e veranistas reclamam de poluição sonora, perturbação de sossego e falta de ação das autoridades

Nas cidades do litoral paulista, são recorrentes as reclamações de moradores e veranistas sobre poluição sonora e perturbação de sossego. A situação se intensifica com a chegada do verão e o aumento do número de pessoas passando as férias nos municípios litorâneos.

Ubatuba

A enfermeira Margareta Vasconcellos, moradora do bairro Maranduba, em Ubatuba (SP), denuncia que o som alto próximo a sua residência é constante o ano todo. “Já solicitei ajuda de todas as autoridades, municipais e estaduais. As casas estão alugadas sempre e não só aos finais de semana”, afirma. A moradora conta que já procurou o gabinete do prefeito, a ouvidoria do município, a guarda civil municipal, a secretaria de turismo, a polícia militar e a Câmara dos vereadores, mas o problema continua. 

Em setembro, a pedido dos moradores da região sul, o vereador Silvinho Brandão (PSD), presidente da Câmara de Ubatuba, protocolou um requerimento na prefeitura pedindo a colocação emergencial de uma faixa informativa na Maranduba na tentativa de coibir a poluição sonora. Porém, segundo a enfermeira, a faixa não foi colocada.

Na opinião de Vasconcellos, os agentes que cobram Zona Azul deveriam informar os visitantes sobre as legislações que existem em relação ao som alto. Ela também é favorável à multa aos infratores e se queixa que as casas alugadas não possuem regras, o que faz com que os turistas se sintam ainda mais à vontade para extravasar. 

“Muito além do problema do som alto ser uma coisa irritante, ele prejudica a saúde, a produção dos hormônios, eu já estou com stress recorrente por causa disso”, lamenta a moradora. Como enfermeira, ela defende que solucionar essa questão é importante inclusive para a saúde pública.

Recentemente, Ubatuba aprovou uma nova Lei do Sossego Público. A orientação é que as denúncias sejam registradas por escrito (ouvidoria@ubatuba.sp.gov.br) ou por meio de ligações telefônicas para a Polícia Militar (190), Guarda Civil Municipal (153) e Ouvidoria (12 3834-3434).

São Sebastião

Morador de São Paulo, capital, Vitor Raposo é proprietário de uma residência de veraneio na praia de Camburi, em São Sebastião. Segundo ele, na tarde da última segunda-feira (28) e na madrugada desta terça (29), o barulho de música alta, pessoas gritando e até uivando gerou grande incômodo. Ele conta que solicitou ajuda às autoridades, mas não foi atendido. 

De acordo com o proprietário, o barulho vem de uma residência de veraneio que foi alugada para jovens, que fazem uso de entorpecentes e acabam se exaltando, promovendo festas barulhentas. Na opinião do veranista, o problema passa pela educação das pessoas e pela aplicação das leis.

O portal Tamoios News questionou a prefeitura de São Sebastião sobre as reclamações de perturbação do sossego e poluição sonora, mas não obteve retorno até o fechamento desta matéria.