Cidades

Verba de Programa para Animais tem Destino Desconhecido em São Sebastião

Tamoios News
Tamoios News

Falta de programa efetivo multiplica número de animais abandonados

Dinheiro seria usado em programa de castração, microchipagem e campanhas de conscientização

Por Marcello Veríssimo

A Prefeitura de São Sebastião tem que explicar o suposto sumiço de uma verba repassada no valor de R$75 mil, correspondente à 1ª parcela do decreto lei 55.373, assinado em 2010 pelo então governador do estado de São Paulo, José Serra (PSDB).

O objetivo do decreto seria a criação de um programa estadual para a identificação e controle da população de cães e gatos – não apenas os de rua, mas também os domésticos, como uma espécie de censo animal. A implantação deste trabalho, segundo publicação do Diário Oficial, aconteceria através das seguintes maneiras:

1 – Identificação e registro da população de cães e gatos;

2 – Promoção de esterilização cirúrgica;

3 – Incentivo à adoção de cães e gatos abandonados;

4 – Realização de campanhas de conscientização pública sobre a relevância do controle da população de cães e gatos e sua vacinação periódica.

O órgão designado para firmar os convênios com as prefeituras paulistas é a Secretaria do Meio Ambiente, que também ficou responsável pelo repasse de verbas para o programa.

317 gato meio

Em São Sebastião, o convênio foi assinado no final de 2013. A assessoria do deputado federal Ricardo Tripoli (PSDB), defensor da causa, confirmou que foi efetuado o pagamento da primeira parcela no valor de R$75 mil.

Segundo a apuração do portal Tamoios News, o total destinado a São Sebastião foi de R$200 mil e estabelecia que o valor fosse pago em duas parcelas.

A segunda, no valor de R$125 mil, só poderia ser liberada após o município prestar contas junto à Secretaria Estadual do Meio Ambiente, emitindo relatórios técnicos para comprovar o número de castrações e identificações feitas com o microchip, o que segundo os ativistas não aconteceu.

Durante toda a semana, a reportagem conversou com especialistas, ONG’s de proteção aos animais e políticos para entender o problema.

Em São Sebastião, o ringue foi armado em consenso com a opinião pública, que ainda tenta descobrir o paradeiro dos R$75 mil. De um lado, os ativistas que apoiam a causa animal, e que, apesar dos poucos recursos, muitas vezes arcam com as despesas e anseiam por incentivo por parte da prefeitura. Do outro, a prefeitura de São Sebastião, que através de sua assessoria afirmou que o dinheiro “está empenhado” e que o programa foi suspenso pela Secretaria Estadual do Meio Ambiente por 130 dias – no caso até o mês de novembro – “para que uma nova estratégia seja elaborada com o objetivo de realizar uma execução mais efetiva do projeto”. A prefeitura afirmou ainda que, após esse prazo, o convênio poderá ser executado regularmente.

Segundo relatos, o edital número 12.2015, de 03 de junho de 2015, com pregão marcado para o dia 18 do mesmo mês e publicado no site da prefeitura de São Sebastião, não aconteceu por falta de veterinários interessados.

Para o veterinário José Mauro Dias, 60, radicado em São Sebastião há mais de 20 anos, com 40 anos de atuação na área, esse convênio é importante, mas o problema mesmo é a “inversão de prioridades” que acontece na cidade. “O maior problema não é você tratar de cachorro, e sim tratar de gente. Depois que ele [prefeito]resolver o problema da saúde humana, ele pode pensar na saúde animal”, analisou.

“O estado destina a verba para isso [cuidar dos animais], só que não chega ao destino principal, este é o problema. Vão criar mais um meio para o desvio de verba e não vai resolver o assunto”, disparou José Mauro.

A dona de casa Rita de Cássia, 48, é uma das interessadas no imbróglio. Maria, sua cadelinha yorkshire de 4 anos, tratada como filha, não imaginava que ganharia um “irmão”. É que Rita, mesmo com orçamento baixo, adora animais, e se comoveu com a história do “cão sem nome”. “Ele estava jogado na rua, ferido, com febre, quase perdendo uma das patas traseiras. Lá [perto da rodoviária] todo mundo olhava, até o pessoal da prefeitura e ninguém fazia nada”, afirmou Rita, que está feliz pela recuperação do animal. O próximo passo é doá-lo. “Ele é muito dócil. Seria ótimo se existisse um espaço público que tratasse deles”, disse.

Sociedade Civil

A ONG Companhia das Patas, que desde sua fundação já realizou por volta de 5 mil castrações, tem na presidência Ana Lúcia Pereira. Mesmo sem sede, a ONG continua oferecendo apoio a animais desprotegidos, graças ao voluntariado.

“Nosso foco principal é a castração, temos veterinários parceiros; claro que também ajudamos em outros casos, como atropelamentos”, diz Ana Lúcia.

317 m at

A Companhia das Patas também realizou feiras de adoção e hoje desenvolve os chamados “lares temporários”, famílias que abrigam, cuidam e dão carinho até que o animal se restabeleça para ser adotado.

Sobre o suposto desaparecimento do dinheiro, a presidente da Companhia das Patas disse que “infinitas e infrutíferas reuniões foram realizadas entre os protetores de animais, nós da Companhia das Patas e representantes da prefeitura”. “Posso afirmar que não existe o menor interesse da prefeitura na realização de campanhas de esterilização”, desabafa Ana. “O único que nos deu apoio foi o vereador Reinaldinho Moreira, que conseguiu uma audiência com o senhor secretário de saúde, que muito prometeu e nada fez”, diz Ana, que lamenta não poder disputar a licitação por ser uma entidade sem fins lucrativos.

Para Rosana Lobo, da Sabu (Sociedade Amigos da Barra do Una), o maior medo é a falta de respostas. “Ninguém sabe exatamente como está a coisa”, diz. “Precisamos, merecemos e queremos esclarecimentos”, finalizou.

Representante do Povo

O vereador Reinaldinho Moreira disse que “está fazendo acompanhamento junto ao Governo do Estado para saber o real posicionamento de onde está essa verba”. Ele afirmou que, na semana passada, esteve com o secretário de saúde Urandy Leite cobrando esclarecimentos e questionando a “morosidade” com que o caso é tratado. Moreira disse que “achou estranho”, em um primeiro momento, a verba estar empenhada. Porém, segundo ele, existe um documento que comprovaria esse suposto empenho.

Na tarde desta sexta-feira (31), o vereador Reinaldinho aguardava o recebimento do tal documento, mas até o fechamento desta reportagem não o havia recebido. A Secretaria Estadual do Meio Ambiente também não retornou a solicitação de entrevista do portal Tamoios News.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.