Caraguatatuba Cidades

Vereador preso pela polícia federal será transferido para a penitenciária de Tremembé

Vereador e advogado de Caraguatatuba, Flávio Nishiyama preso na operação

O vereador e advogado de Caraguatatuba, Flávio Nishiyama, será transferido nesta quarta-feira(12) para a penitenciária de Tremembé, em Taubaté. Ele foi denunciado por associação criminosa e cumprirá prisão provisória.

Flávio Nishiyama foi preso na manhã de ontem, em sua casa no bairro do Indaiá, pela Polícia Federal. A prisão dele foi acompanhada pelo presidente da OAB(Ordem dos Advogados do Brasil) em Caraguatatuba.

Após passar pelo IML, Flávio Nishiyama foi  encaminhado até o CDP(Centro de Detenção Provisória) de Caraguatatuba. Não foi informado que horas será feita a transferência do vereador/advogado para a penitenciária de Tremembé.

Segundo o promotor Renato Queiroz de Lima, caso seja denunciado e condenado o vereador/advogado poderá cumprir até oito anos de prisão pelo crime de associação criminosa.

O vereador filiado ao PTB cumpre seu primeiro mandato no legislativo de Caraguatatuba. Foi eleito em 2016, com 1.112 votos. Nishiyama foi também secretário municipal de Esportes, da gestão do prefeito Aguilar Junior até recentemente, quando deixou o cargo para disputar a reeleição.

Não conseguimos contato com o vereador ou seus advogados. Caso fique muito tempo preso, Nishiyama deverá ser substituído pelo suplente, Valmir Tavares.

A Câmara encaminhou uma nota oficial onde alega que não foi notificada oficialmente, que aguardará o desenrolar das apurações e que irá colaborar quando solicitado pelas autoridades policiais. A nota destaca ainda que “o fato isolado não compromete a função legislativa do parlamentar”.

Prisão

Comandante da PM, André Luiz Paes; promotor Renato Queiroz de Lima; delegado seccional, Múcio Alvarenga; e, delegado federal Gilberto Antônio de Castro junior

A prisão, mesmo que provisória, compromete o futuro político do vereador e até o seu mandato atual. Segundo apontam as investigações feitas pelo MP(Ministério Público), Polícia Federal e Polícia Civil, Nishiyama era um “braço” da organização criminosa que agia em Caraguatatuba, Ubatuba e São Sebastião.

O vereador/advogado, segundo o MP, além de atuar na defesa das pessoas presas por tráfico de drogas, para evitar que elas entregassem o comando do tráfico, também, era o responsável pelo aluguel de casas “bombas”, residências onde as drogas eram armazenadas.

Ele foi “denunciado” por um traficante que fez a delação premiada e repassou todas as informações referente à participação dele na organização criminosa, cujos líderes foram presos na operação “Código de Ética” deflagrada ontem.

“O que ficou comprovado nas investigações é que o advogado recebia uma quantia mensal da organização criminosa para atuar nas prisões em flagrantes ocorridas no Litoral Norte. E qual era o papel dele? Ele se dirigia até a delegacia de polícia e ao invés de fazer a defesa, coagia as pessoas para que não delatassem os integrantes da organização criminosa, e era o encarregado de repassar aos líderes o que o preso teria informado à polícia”, informou o promotor Renato Queiroz de Lima.

Ainda, segundo o promotor, de acordo com o que foi apurado nas investigações e relatado pelo preso que fez a delação premiada, Nishiyama ia aos presídios para cobrar dos traficantes presos dívidas de drogas apreendidas pela polícia, a mando da organização criminosa.

O promotor teve acesso a um áudio gravado por Nishiyama, onde ele se responsabiliza pelo aluguel de casas para armazenar as drogas. Segundo o promotor, Nishiyama ultrapassou os limites de atuar apenas como advogado, para agir como membro e integrante da organização criminosa.

Os advogados C.C.S.A. e L.E.R., que trabalham com Nishiyama, foram alvos de mandados de busca e apreensão pela Polícia Federal. Foram apreendidos computadores e celulares. Segundo o delegado federal Gilberto Antonio de Castro Junior, os equipamentos serão periciados e caso seja encontrado alguma prova do envolvimento deles com a  organização criminosa, também, serão denunciados.

error: Alerta: Conteúdo protegido!