Cidades Notícias São Sebastião

Moradores do Sertão do Cacau reclamam de transtornos causados por estacionamento de ônibus

Moradores de Sertão do Cacau em São Sebastião estão tendo dificuldades para acessar o bairro desde que a empresa de ônibus Sancetur alugou um terreno para fazer uma garagem de parte da frota de ônibus. Os moradores marcaram um protesto para a tarde desta sexta-feira, que foi suspenso após áudios que indicam que os ônibus sairão do local em até 48 horas.

De acordo com Michel Gito, morador do Sertão do Cacau, da noite para o dia foi instalada uma garagem de ônibus no bairro, o que causou muitos transtornos no trânsito pela falta de espaço do entorno. O morador explica que o terreno que foi alugado é grande, mas a rua não comporta. Não há espaço para manobrar os ônibus, por exemplo. 

Acompanhe no vídeo:

Gito explica ainda que “os moradores ali do Sertão do Cacau estão totalmente descontentes porque tem galão de diesel ao lado de uma nascente de água. Está certo que ali é um terreno privado e a proprietária pode sim fazer a locação para o que ela bem entender, porém não comporta uma garagem de ônibus naquele local, não tem espaço para fazer manobra, quando o ônibus entra no Sertão ele causa um trânsito terrível”.

Os moradores tentaram conversar com a proprietária do terreno para saber quem fez a locação do espaço. “A proprietária informou que o contrato de locação foi feito com a prefeitura, o Prefeito disse que não tem absolutamente nada a ver com aquela situação” afirma Gito. 

Em live nas redes sociais, o Prefeito Felipe Augusto responde questionamentos dos moradores, ele diz: “é uma área ambientalmente já degradada, não é garagem, a gente acabou de explicar aqui, garagem é diferente, ali é o estacionamento”. Ele lê um comentário do morador Kadu Moraes que diz que os moradores não querem estacionamento no Sertão de Camburi. O prefeito então responde: “boa, tem que comprar então o terreno e tirar a empresa de lá”. 

O prefeito ainda responde outro morador sobre o tempo de duração do contrato de locação, confirmando que serão três meses de uso pela empresa e ainda explica que a proprietária alugou o terreno em acordo direto com a empresa de ônibus, e que a Prefeitura não tem nada a ver com a locação. 

A moradora Priscila Carneiro apontou os problemas observados após o terreno começar a ser usado para estacionamento de parte da frota de ônibus. Ela afirma: “o Sertão não tem a menor capacidade então forma um trânsito, um caos absurdo, não dá vazão. Todo dia, não tem hora. Esse trânsito reverbera na estrada para entrar aqui, pois não tem rotatória”. Ela explica ainda que o bairro não tem estrutura para acomodar grandes movimentações, pois falta calçada e que o pavimento da via principal chegou ano passado.

Priscila explica que os moradores se preocupam com o tanque de diesel que está no local, “ali é mata atlântica, óbvio que não pode, tem uma nascente ali, aquilo contamina o solo, não tem asfalto, a garagem está no barro. Outro dia choveu e os ônibus não conseguiam sair por causa do barro. É uma total falta de planejamento”. Ela também cita a preocupação com o vazamento de óleo na pista, o que pode gerar acidentes “ali é uma leve descida, pode ter atropelamento já que não tem calçada e muita gente anda a pé e de bicicleta, ônibus tem muito ponto cego então é muito perigoso”.

Os moradores receberam um áudio supostamente enviado pelo prefeito Felipe Augusto na quinta-feira (07). A mensagem do áudio diz: “Bom dia a todos de Sertão do Camburi, aqui quem está falando é Felipe Augusto, hoje é quinta-feira, dia 07 de outubro, agora na parte da manhã nós encerramos as negociações com a empresa Sancetur que acabou locando um terreno no acesso ao Sertão do Cacau, aí na Avenida Tijucas, para a instalação de um estacionamento de ônibus de forma paliativa. Como a gente já tinha comentado na live, a empresa tem um contrato comercial de seis meses, restam ainda três meses e ela precisava de um espaço para deixar os ônibus no decorrer desses meses enquanto a publicação da concessão não acontece, que ainda tem fases a serem cumpridas de acordo com a legislação vigente. Fui procurado pela Andreia e pelo João que tem a pousada aí, e junto com uma comissão trouxeram as reivindicações, todas elas bem formuladas, bem estruturadas. A Prefeitura não tem nada a ver com isso e tendo em vista as alegações da senhora Paula que é uma das proprietárias do imóvel, alegando que a prefeitura teve envolvimento nessa locação eu venho aqui deixar muito claro que ela mentiu. A prefeitura em nenhum momento se interferiu nessa questão. […] A partir dessa grande mentira entramos em entendimento com a empresa que se comprometeu nas próximas horas, 48 horas, de fazer a mudança para um novo terreno e aí sim, iniciar as tratativas de instalação ou de estacionamento ou de garagem conforme as necessidades da empresa. […]”. 

Após receberem o áudio, os moradores decidiram suspender a mobilização que estava marcada para esta sexta-feira. “Por ora a mobilização está suspensa, vamos acreditar nas palavras do Prefeito Felipe Augusto, obviamente. Vamos acreditar que isso seja verdade e que ele retire esses ônibus no prazo de 48 horas. Caso esses ônibus permaneçam, aí sim, remarcaremos um novo protesto, bem organizado, sem baderna e civilizado, queremos apenas reivindicar os nossos direitos”, explica Michel Gito. 

O Portal Tamoios News questionou a prefeitura e a Sancetur, mas não obteve resposta até o final desta matéria.