SAMU São Sebastião

São Sebastião: Campanha em escolas reduz “trotes” no SAMU

Ligações de trotes ao Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) de São Sebastião indicaram queda após implantação do projeto “SAMU na Escola” desenvolvido com crianças em escolas públicas do município. Os índices registraram queda de 60% nos trotes. Em 2017 foram mais de 700 trotes, já em 2018 foram 427.

De acordo com a coordenadora do SAMU do Litoral Norte, Mara de Abreu, as ligações diminuíram depois da implantação do projeto “SAMU na Escola”. “Acreditamos que sensibilizar as crianças e a comunidade escolar sobre a importância e as finalidades do serviço, e os riscos do trote para o sistema de emergência foi fundamental para obtermos esse resultado”, explicou.

O programa foi colocado em prática pelo Núcleo de Educação em Urgência (NEU) do SAMU de São Sebastião, por meio de instrutores e funcionários do próprio serviço, que realizam palestras nas escolas públicas do município.

O projeto conta com uma viatura equipada e montada como uma ambulância de atendimento normal, onde uma equipe do NEU vai até a escola onde foi agendado o evento. Lá os alunos são reunidos no pátio para um “bate papo” com a equipe de emergência, trocando informações e sanando duvidas sobre este importante serviço que é prestado à comunidade.

Na contramão do país

Segundo uma reportagem do Bom Dia Brasil, exibido no início do ano, o SAMU de Brasília chega a receber oito trotes por hora. De acordo com a reportagem, no passado foram quase 70 mil ligações que desperdiçaram o tempo de profissionais. Das 903 mil ligações que o SAMU de Brasília recebeu o ano passado, quase 10% eram trotes.

Segundo Mara, São Sebastião está na contramão do país. “Estamos realizando um trabalho eficaz de educação com as crianças e atingindo um objetivo que está indo na contramão do que mostra a capital federal do Brasil”, ressaltou.

Deixe um Comentário

O Tamoios News isenta-se completamente de qualquer responsabilidade sobre os comentários publicados. Os comentários são de inteira responsabilidade do usuário (leitor) que o publica.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: