Caraguatatuba Educação

Presos do CDP de Caraguá terão curso de auxiliar de cozinha

Foto: SAP/Divulgação

Os presos do CDP de Caraguatatuba estão aproveitando as oportunidades de estudo, capacitação e qualificação profissional, oferecidas pela Secretaria de Administração Penitenciária, em parceria com a Prefeitura da cidade e instituições. Os presos sabem que, além da reduzirem suas penas, os estudos são fundamentais para que possam ser reintegrados na sociedade e no mercado de trabalho

Por Salim Burihan

Os presos do Centro de Detenção Provisória (CDP) de Caraguatatuba receberão uma nova oportunidade para qualificação profissional.

Nos próximos dias, 25 deles vão iniciar um curso de auxiliar de cozinha que será ministrado pelo Instituto Paula Souza- ETEC de Caraguatatuba.

Os detentos do CDP já fazem curso de pedreiro, através de uma parceria com a Prefeitura de Caraguá e Senai. São cursos de pedreiro, assentador e ajudante. Quarenta deles vão iniciar ainda este mês a segunda turma do curso, que foi iniciado em março com 20 vagas.

O diretor do CDP,  Alan Carlos Scarabel de Souza, afirmou que, esses cursos são importantes para os presos, principalmente, para reinserção deles na sociedade e no mercado de trabalho.

O responsável pelo setor pedagógico do CDP, Luiz Ernesto Mendes Alves, informou que, a cada dia de estudo, três dias são abatidos da pena, que cada um cumpri ou terá que cumprir.

O CDP de Caraguatatuba conta com cerca de 1.300 detentos, alguns condenados e outros, ainda  aguardando julgamento.

Prefeitura de Caraguá, através do Fundo Social, ajuda na capacitação e qualificação dos presos

Segundo Alves, o CDP tem escola regular, através de uma parceria com a Secretaria de Educação de Caraguatatuba. Os presos tem acesso às aulas do ensino primário e secundário.

Um total de 135 detentos frequentam as aulas. Os presos, além de participarem das aulas, eles se dedicam aos estudos, pois querem reduzir os anos da pena e, também,  se qualificarem e se capacitarem, para facilitar a busca de emprego quando deixarem o CDP.

Luciano, detento de 38 anos, é um dos que aproveitam as oportunidades oferecidas pelo CDP.  “Todos nós estamos com o intuito de ser uma pessoa melhor, eu errei no passado e preciso me regenerar”, disse. Luciano faz o curso de pedreiro.

Provas

Nos próximos dias 8 e 9, 72 detentos vão prestar as provas do  Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja).

Nesta modalidade, é possível conquistar a elevação de escolaridade, certificando o Ensino Fundamental ou Médio, dependendo do nível de ensino que o participante está inserido.

O Encceja PPL, direcionado a homens e mulheres privados de liberdade, é aplicado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) em presídios e unidades socioeducativas de todo o Brasil.

As provas normalmente são realizadas em dois turnos, tanto para o Ensino Fundamental, quanto para o Ensino Médio. As inscrições foram feitas pelos responsáveis pedagógicos de cada unidade prisional ou socioeducativa.

Já o exame ocorrerá em 8 e 9 de outubro. Será certificado o participante que atingir o mínimo de 100 pontos em cada uma das áreas de conhecimento e atingir o mínimo de cinco pontos na prova de redação.

Os responsáveis pedagógicos também ficam com a missão de acessar os resultados e pleitear a certificação dos inscritos nas suas unidades específicas.

Recorde

Segundo a Secretaria de Administração Penitenciária, o número de presos custodiados pelo Estado de São Paulo inscritos neste ano no Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja) aumentou 18% em relação a 2018.

Este ano foram 28.146 participantes ante 24.035. Nesta modalidade, é possível conquistar a elevação de escolaridade, certificando o Ensino Fundamental ou Médio, dependendo do nível de ensino que o participante está inserido.

Em um recorte regional, o aumento no número de reeducandos inscritos na prova também foi de 18% no Vale do Paraíba em 2019, com o total de 1.480 internos em comparação aos 1.225 do ano passado.

São detentos do Centro de Detenção Provisória “Dr. Félix Nobre de Campos”, o CDP de Taubaté; do Centro de Progressão Penitenciária “Dr. Edgard Magalhães Noronha”, o CPP de Tremembé; da Penitenciária “Dr. Tarcizo Leonce Pinheiro Cintra”, a P1 de Tremembé; da Penitenciária “Dr. José Augusto César Salgado”, a P2 de Tremembé; da Penitenciária Feminina “Santa Maria Eufrásia Pelletier” 1 de Tremembé; da Penitenciária Feminina 2 de Tremembé; do Centro de Ressocialização Feminino de São José dos Campos; e do CDP “Dr. José Eduardo Mariz de Oliveira” de Caraguatatuba.

O Encceja PPL, direcionado a homens e mulheres privados de liberdade, é aplicado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) em presídios e unidades socioeducativas de todo o Brasil. As provas normalmente são realizadas em dois turnos, tanto para o Ensino Fundamental, quanto para o Ensino Médio. As inscrições foram feitas pelos responsáveis pedagógicos de cada unidade prisional ou socioeducativa.

Saiba mais: Encceja Nacional PPL – O Exame é destinado a pessoas submetidas a penas privativas de liberdade e jovens sob medida socioeducativa que inclua privação de liberdade. Cada unidade prisional e socioeducativa conta com um responsável pedagógico para representar os participantes na inscrição e certificação. Ele é o responsável pela inscrição e por repassar todas as informações necessárias aos participantes. É necessário que os interessados em fazer a inscrição Encceja PPL 2019 tenham idade mínima de 15 anos de idade (para obter certificado de Ensino Fundamental) ou de 18 anos (para garantir a certificação de Ensino Médio).

error: Alerta: Conteúdo protegido!
%d blogueiros gostam disto: