Educação Ubatuba

Ubatuba: Professores cobram melhores condições de trabalho e reposições salariais

Convocada pela Câmara Municipal de Ubatuba, a secretária de Educação do município, Elizabeth Isnard prestou informações e esclarecimentos aos vereadores, na terça(4), sobre a redução de horários nas creches da cidade e a diminuição da carga horária de professores.
A secretária ocupou a tribuna por cerca de uma hora. Os representantes dos professores tiveram que expor suas reivindicações e problemas por apenas sete minutos.
Dos 557 professores da rede municipal, 259 participam de um movimento, iniciado pela categoria, que cobra melhores condições de trabalho e reposição das perdas salariais.
Os professores compareceram em grande número à sessão, alguns portando faixas e cartazes, cobrando melhorias na Educação e nos salários da categoria.
Os professores alegam que desde o inicio da administração do Prefeito Sato vem sofrendo perdas salariais, porém o que mais indignou à todos, foi uma mudança sem aviso e discussões com a categoria, sobre a creche e no ensino fundamental, onde a prefeitura retirou 35 horas de planejamento.
Os professores alegam ainda que tiraram a creche integral e colocaram parcial, no bairro do Ipiranguinha, onde as mães mais necessitam da presença de seus filhos no período integral, para poderem trabalhar.
A categoria reclama ainda que a prefeitura ainda retirou professores deixando das salas, mantendo apenas um em cada unidade. E que com o fechamento de salas,  43 professores ficaram sem sede e não tem onde trabalhar. Esses professores estariam sendo realocados para outras unidades, distantes de suas casas.
” já ganhamos pouco e ainda teremos que gastar com transporte? A responsabilidade do professor de administrar uma creche com 10 salas e 200 crianças é desumana, como essas crianças serão estimuladas? Como o professor atenderá todas as salas”, comentou a professora Teresa Fernanda Rodrigues, que trabalha há 17 anos na rede.  
As reclamações são muitas, incluindo falta de papéis, de cola,  de fitas e, até de transporte para sair com as crianças. Reclama ainda que a merenda é reduzida, que a  criança sai 11.30 para ir ao reforço e recebe apenas três bolachas de água e sal e um suco, sendo que a criança permanece na sala até às 15 horas. 

Os professores alegam também que a educação inclusiva está prejudicada, por falta de orientação do Departamento de Inclusão. Afirmam que essas crianças passam o ano sem atendimento especializado e que o departamento só atua quando a criança está no extremo de surtos ou os pais acionam Ministério Público.
Pais

Pais de alunos que estão nas creches também estão preocupados com as alterações pretendidas pela prefeitura. A maioria deles mantém seus filhos nas creches para poder trabalhar fora. No dia 27 passado, pais de alunos foram à sessão de Câmara.  Sara Cardoso Bezerra falou em nome de pais e mães de crianças, que as creches das escolas José Cembraneli, Irmã Sofia Rodrigues e demais da Zona Oeste,  estão programadas para atuar em meio período a partir de 2019.

Sandra manifestou “insatisfação com a decisão, dizendo que os pais sentem-se extremamente prejudicados uma vez que somente a região Oeste está sendo penalizada por enquanto. Segundo a depoente, “o Executivo está indo contra a Constituição Federal em seu artigo 208 – inciso IV, entre outras leis”, sobre o dever do Estado para com a Educação, “não priorizando valores básicos”

Sindicato
A presidente do Sindtapu(Sindicato dos Trabalhadores de Ubatuba), Sandra da Silva, disse que o sindicato  está acompanhando as revindicações e queixas dos professores e está avaliando quais procedimentos deverão ser tomados contra a prefeitura.
Sandra contou que enviou pedido de informações e explicações à Secretaria de Educação. “Recebemos algumas respostas, mas ainda não foi decidido, se tomaremos medidas judiciais ou não. Estamos avaliando”, finalizou.
Prefeitura
A Prefeitura de Ubatuba encaminhou uma nota, através da Assessoria de Imprensa, na qual procurar explicar e esclarecer os assuntos questionados pelos professores e pais de alunos repassados ao portal. Leia a nota em sua integra:
1 – Em nenhum momento da gestão houve perda ou redução salarial de nenhum cargo efetivo, especialmente, dos professores, o que violaria os direitos estatutários adquiridos. Qualquer alteração salarial deve ser efetivada por Lei Específica.

2- Em relação à mudança da carga de horas/aula, há que se esclarecer que houve uma redução de 25, e não 35 horas/aula, sendo que essas horas são de caráter complementar – fato que todos os professores sempre tiveram ciência. Não há que se falar que não houve aviso, pois o tema foi tratado com bastante antecedência junto aos gestores de todas as escolas e há tempos já havia sendo estudado pela secretaria, em conjunto com corpo diretivo.
Cabe ressaltar que mais de 250 professores de toda a rede tiveram sua carga de hora/aula aumentada de 155 para 165, o que confere a valorização de toda a rede, bem como atende uma distribuição mais igualitária.
A redução não significa que haverá prejuízo na qualidade da alfabetização, até porque, as formações dos professores terão continuidade e a rede como um todo fortalece o processo de letramento.
Todas essas mudanças estão dentro do contexto previsto na BMCC – Base Nacional Comum Curricular.

Com relação às creches, além da Nota Oficial que encaminhamos e foi publicada na matéria https://www.tamoiosnews.com.br/canal-educacao/ubatuba-pais-protestam-contra-reducao-de-horario-em-creches/

Acrescentamos que:
Com a readequação, em todo o município, até o momento, a demanda reprimida das creches será apenas de 99 crianças sendo que, na região Oeste, a fila será zerada. Este ano, essa demanda foi de 626 alunos.
As unidades em que as classes de maternal II estão previstas para funcionar em período parcial vão ter mais vagas não só para esta classe, mas para as demais (berçário I e II e maternal I)
As unidades com período parcial terão professor responsável pela parte pedagógica no período da tarde, além de mais um agente educacional por classe e, ainda, a cada sete crianças. Além dos agentes educacionais, no período da manhã, continuará um professor por classe.
A rotina das crianças será melhorada, com adaptação no horário de almoço adequado e atividades lúdicas na parte da tarde.

3 – Não há que se falar em fechamento de salas, pois não há nenhuma sala sendo fechada, muito menos que os professores não terão onde trabalhar. Muitos deles têm a possibilidade de permanecer, sim, em suas sedes, atuando em outras etapas do ensino. Além do que, a secretaria está realizando largo e democrático trabalho de atribuição de sedes e salas para todos os professores da rede, conforme a legislação e ordens internas, que são de conhecimento de todos os profissionais – sejam novos ou os mais antigos.
É necessário levar em consideração a classificação dos professores na lista de atribuição.

4- É um absurdo falar da merenda de Ubatuba pois é considerada referência no Vale do Paraíba e Litoral Norte, sendo que a título de exemplo, a refeição para o reforço constitui-se de, no mínimo, arroz, feijão, espinafre, sobrecoxa de frango com batata – tudo elaborado e monitorado por nutricionista e servido às 11h30.
Sobre os materiais, os trâmites administrativos para aquisição estão em fase de finalização.

5 – Sobre a Educação Inclusiva, existe uma equipe especializada de 17 profissionais somente na secretaria, que atuam oferecendo orientação e acompanhamento semanal aos profissionais que trabalham diretamente nas salas de recursos das unidades. A formação dessa equipe é de psicopedagogos, psicólogos e fonoaudiólogos. A secretaria não tem conhecimento de sequer uma ação judicial nesse sentido e é um absurdo afirmar que as crianças não têm atendimento especializado. Inclusive, durante eventos nas escolas, a equipe da secretaria já foi procurada várias vezes para receber elogios sobre o trabalho da educação inclusiva na rede. Enviamos links da semana da Educação Inclusiva e, também, do projeto piloto do ensino regular de Libras- iniciativa pioneira no município.
https://www.ubatuba.sp.gov.br/noticias/ii-semana-do-direito-a-educacao-inclusiva-tera-palestras-caminhada-e-plantio-comemorativo/
https://www.ubatuba.sp.gov.br/sme/organizacao-comemora-sucesso-da-ii-semana-do-direito-a-educacao-inclusiva/
https://www.ubatuba.sp.gov.br/noticias/projeto-piloto-da-educacao-de-ubatuba-implanta-aula-de-libras-no-ensino-regular/

3 Comentários

  • Na verdade a secretária foi por causa dos Agentes Educacionais, Prefeito prometeu redução carga horária de 8h para 6h dia, e sobre não ter professor nas salas com os agentes na parte da tarde em todas creches.

  • A educação de Ubatuba está perdendo muito com estas mudanças .Trabalho em creche e sempre ouço a Secretária da Educação ter um discurso onde a primeiríssima infância deve ter prioridade pois é onde se forma a personalidade dentre outras coisas.Agora me pergunto: “onde está a prioridade dos nossos pequenos cidadãos com estas mudanças que estão acontecendo?”.
    De que adianta nos cursos e capacitações que a prefeitura nos proporciona ,ser tão mencionada a importância desta fase da vida das crianças, se na prática eles estão sendo colocados em último plano?
    Porque a educação sempre é a primeira a ser prejudicada quando se fala em economia?

Deixe um Comentário

O Tamoios News isenta-se completamente de qualquer responsabilidade sobre os comentários publicados. Os comentários são de inteira responsabilidade do usuário (leitor) que o publica.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: