Caraguatatuba causa animal

Advogado de Caraguá é multado por atear fogo em animal de estimação que estava com câncer. Veja vídeos do “sacrifício” do animal

local onde o cachorro foi sacrificado pelo dono

A Polícia Ambiental multou em R$ 6 mil o advogado L.W.Z, de Caraguá que teria ateado fogo em seu cachorro. Em sua página nas redes sociais, o advogado informou que dopou e depois ateou fogo no animal,  porque ele estaria com câncer em uma das patas.

Sacrifício de animal “revoltou” internautas e Polícia Ambiental multou o autor em R$ 6 mil.

As autoridades, no caso a Polícia Ambiental, tomou as devidas providência porque o caso ganhou grande repercussão nas redes sociais. A polícia chegou ao advogado após monitorar as redes sociais.

Internautas filmaram e fotografaram o sacrifício do animal e postaram nas redes sociais. As imagens “viralizaram” nas redes sociais e foi o principal assunto da cidade no fim de semana. Veja os vídeos:

Vídeo mostra momento em que dono ateou fogo no animal:

Boni, o animal sacrificado pelo próprio dono. Foto-arquivo do advogado L.W.V.

Com a participação e orientação da Comissão de Proteção Animal da OAB(Ordem dos Advogados de Caraguá) foi possível à Polícia Ambiental levantar mais informações sobre o advogado L.W.Z., bem como, o endereço e seus dados pessoais.

O advogado alegou à Polícia Ambiental que já sabia que seria procurado pelas autoridades que também já teria argumentos para a sua defesa, no caso o sacrifício de seu cachorro.

Ele alegou que o cachorro de sua estimação, chamado “Bonifácio, o Boni”, estava com câncer em fase terminal e que decidiu dar um anestésico e depois atear fogo animal, em um terreno baldio no bairro Jardim Jaqueira.

Na casa do advogado, a polícia entrou em contato com a médica veterinária que cuidava do animal, para obter informações sobre a situação da saúde do cachorro, que foi sacrificado pelo dono.

A  veterinária, por telefone, confirmou que o advogado era cliente de sua clínica. Segundo ela, o animal teria sido atendido até o dia 4 passado, com claudicação, que vinha se alimentando bem, apresentava fezes e urina normais, mas que nos exames teria sido identificado um osteossarcoma, tumor maligno.

A veterinária informou ainda, que devido ao peso do animal, foi sugerido um tratamento paliativo. A médica informou anda que o animal estava em “estado terminal” e que não havia muito o que fazer, mas que ainda não seria o caso de uma “eutanásia”.

Após a conversa com o advogado e sua veterinária, a Polícia Ambiental decidiu fazer um boletim de ocorrência aplicando multa no valor de R$ 6 mil, por crime ambiental e maus tratos animal seguido de morte.

Os restos do animal foram recolhidos no terreno onde se encontrava e encaminhado ao Centro de Zoonose de Caraguá, onde foi incinerado corretamente. A morte do animal pelo seus dono foi um dos principais assuntos na redes sociais no fim de semana.

Não conseguimos contatos com o advogado L.W.Z para ouvir suas explicações sobre o caso. As apurações feitas pela Polícia Ambiental foram encaminhadas à Delegacia de Polícia de Caraguá, que poderá ou não, adotar novas sanções ao advogado.

A Polícia Militar Ambiental esclarece:

Deve-se consultar profissionais com experiência na área e grupos taxonômicos envolvidos para assegurar a adequação da técnica, ou no caso de instalações animais, de acordo com a Resolução Normativa nº 6, de 10 de julho de 2012, os procedimentos de eutanásia devem ser supervisionados, mesmo que não de forma presencial, pelo responsável técnico pela instalação animal, que deve ter o título de Médico Veterinário com registro ativo no Conselho Regional de medicina veterinária, da Unidade Federativa em que o estabelecimento esteja localizado.
Em casos onde a prática da eutanásia é justificável, para o bem do próprio animal, somente em casos de dor ou sofrimento, a partir de um determinado nível, que não podem ser atenuado de imediato, com analgésico, sedativo ou outros métodos ou quando o estado de saúde ou bem-estar animal impeça o tratamento ou socorro. (de acordo com o § 1º do art. 14 da Lei nº 11.794, de 2008).

A elucidação dos fatos, que que pese nossos esforços, ocorreu graças à confiança e acionamento rápido da população. Disponham sempre, não só da Polícia Ambiental, como de toda Polícia Militar do estado de São Paulo.
#vocepodeconfiar. Anderson Reis Pelegrine. 1º Ten PM Comandante da Polícia Ambiental do Litoral Norte

9 Comentários

  • De uma olhada na Martim de Sá, rua Luiz Lyria Martinez entre os números 700 a 880, tem um terreno da prefeitura cerca de 2 mil metros quadrados, com esgoto a céu aberto, sem calçada.

  • Nossa, que MONSTROOO!! DEVERIA SER PRESO, PESSOA PERIGOSA PARA A SOCIEDADE!
    E você que filmou, não fez nada para salvar o cachorro???
    Pelo menos denunciou…
    Assim caminha a “desumanidade”.

  • Só não entendi o porque que a mídia preservou o nome do advogado assassino de animais, é menor? O que é preciso ser dito deve ser visto…

  • Esse homem merecia ser preso, 6 mil é dinheiro de uma noite de balada!
    Ele é perigoso, fez por prazer , Brasil é um país de segurança zero!
    Deveriam encaminhar para uma prisão psiquiatra, é por isso que deveriam aprovar a pena de morte no Brasil pra pessoas assim!
    Ninguém quer cuidar de gente retardada deveriam aniquilar esses bandidos loucos psicopatas
    Uma pessoa que faz isso com um cão, imagine oq faz com uma filha ..estrupador pra pior!
    Revoltante!!!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.