Caraguatatuba Cidades

Felipe Tiago alega à polícia que teria matado Cristina Novaes a pedido da namorada

Felipe Tiago Fet Lino, de 31 anos, acusado de matar Cristina Coelho Novaes, de 32 anos, em 16 de novembro passado, em Caraguatatuba, disse a polícia civil que teria matado a mulher a pedido da namorada.

Cristina era filha de um renomado médico veterinário de Caraguatatuba. Ela foi morta por estrangulamento e o corpo encontrado em um córrego no bairro do Poiares em 17 de novembro. Ela estava nua, com as mãos amarradas e o corpo envolto em um saco plástico.

Cristina, que morava na capital, estava no feriado em Caraguá para rever a família e amigos

O preso deu detalhes do que teria ocorrido no dia 16 de novembro, quando Cristina foi assassinada, numa conversa com o delegado Jairo Pontes, que foi quem esclareceu o crime e identificou Felipe Tiago como o autor do homicídio.

Felipe Tiago contou que após ter ido até um churrasco, beber e usar drogas, entre elas, cocaína, teria brigado com a namorada.

Após a briga, decidiu ir até um barzinho para beber. No local, encontrou Cristina. Os dois beberam juntos e ele convidou Cristina para ir até a sua casa, que fica no Poiares.

Na casa, segundo Felipe Tiago, beberam e fizeram uso de drogas. Segundo ele, a namorada ao saber que ele estava com Cristina teria pedido para que ele matasse a mulher.

Ele contou que usou uma cordinha para enforcar Cristina. E que, desesperado, teria dispensado o corpo num córrego do bairro. Para levar o corpo de Cristina, Felipe utilizou um carrinho de supermercado.

Após o crime ele teria fugido para a capital. Lá, teria armado uma confusão com a sua cunhada, que chegou a fazer um boletim de ocorrência na polícia. O irmão e a cunhada não sabiam que ele  tinha cometido um crime em Caraguá.

Felipe Tiago estava com prisão temporária decretada pela justiça desde o dia 21 de novembro. Ele foi preso neste domingo(15), em Paraty.

Felipe durante sua chegada em Caraguá. Foto: Repórter Online

Felipe estava trabalhando como garçom em um quiosque na praia do Jabaquara quando teria sido preso pela Polícia Militar e encaminhado até a delegacia de polícia.

Como o nome dele constava no Sistema de Presos Procurados e Foragidos, o delegado do 167º distrito policial de Paraty, Marcelo Russo, acionou a policia de Caraguatatuba.

Felipe Tiago foi transferido para Caraguatatuba nesta terça(17), escoltado por policiais da  SIG(Setor de investigações Gerais).

O delegado Jairo Pontes, que esclareceu o crime e identificou Felipe como autor, conversou ontem com o preso. Ele classificou Felipe Tiago como um “psicopata”, que supostamente estaria envolvido em outro crime ocorrido na cidade há oito anos e até hoje ainda não esclarecido.

Quando matou Cristina, Felipe Tiago estava há dois meses em liberdade. Ele tinha sido condenado a sete anos de reclusão por tráfico de drogas. Segundo o delegado, Felipe Tiago em nenhum momento demonstrou arrependimento pelo crime cometido.

O delegado titular de Caraguatatuba, Tadeu de Castro já solicitou à justiça a prisão preventiva de Felipe Tiago que permanece preso em uma cela especial da delegacia até ser transferido para o CDP(Centro de Detenção Provisória) da cidade. Se for condenado, Felipe Tiago pode cumprir até 20 anos de prisão pela morte de Cristina Novaes.