Caraguatatuba Cidades

Quatro mulheres são barradas com drogas no CDP de Caraguatatuba

Foto: SAP/Divulgação

A Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) informou que quatro mulheres foram barradas com material ilícito na portaria do CDP de Caraguatatuba no último domingo antes da virada de ano, dia 29 de dezembro. Ao todo, foram apreendidos quase 290 gramas de entorpecentes. 

No Centro de Detenção Provisória “Dr. José Mariz de Oliveira”, o CDP de Caraguatatuba, durante a manhã do domingo, duas jovens foram frustradas ao tentarem entrar com maconha escondida no cós da calça. O volume suspeito na roupa das infratoras chamou a atenção das servidoras responsáveis pela revista dos visitantes. Uma delas, de 20 anos, trazia 48 gramas da droga, enquanto que a outra, de 18 anos, carregava 40 gramas do entorpecente nas vestes.

Mais tarde, por volta das 14h, a companheira de um detento foi surpreendida ao passar pelo escâner corporal com um invólucro com maconha dentro da vagina. A mulher de 22 anos trazia 99 gramas da erva no corpo. Outra infratora, mãe de um preso, foi flagrada com a mesma estratégia. A suspeita, de 50 anos, carregava 100 gramas de maconha no órgão genital.

As quatro infratoras, do CDP de Caraguatatuba, foram encaminhadas para a Delegacia de Polícia, onde foram lavrados os Boletins de Ocorrência, e tiveram seus nomes suspensos do rol de visitas da SAP. A direção da unidade prisional enviou comunicado para a Vara de Execuções Criminais, além de instaurar Procedimento Disciplinar Apuratório.

Balanço

A política da Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) de não tolerar a entrada de ilícitos em unidades prisionais tem se apresentado de forma eficaz nos índices da Pasta. O êxito do funcionamento dos aparelhos de revista e inspeção, aliado ao profissionalismo dos agentes de segurança penitenciária (ASPs), tem inibido as tentativas de infração cometidas por visitantes.

Em 2019, até o mês de novembro, foram registradas 62 ocorrências de familiares de presos barrados ao tentarem entrar com drogas em presídios do Vale do Paraíba – o equivalente a 3,609 quilos de entorpecentes. Em comparação com o mesmo período em 2018, quando houve 93 ocorrências de visitas carregando alucinógenos, o número de apreensões de drogas diminuiu em 33%.

O índice de visitantes surpreendidos com celulares na portaria dos presídios da região também declinou. Até novembro deste ano, foram 4 flagrantes, enquanto que no mesmo período do ano passado foram 8.

Dentre os equipamentos utilizados para a inspeção de visitantes estão os detectores de metal de alta sensibilidade e os bodyscanners, presentes nas unidades prisionais do Estado. A partir da instalação dos escâneres, em 2017, foi possível realizar as revistas em visitantes por meio das imagens geradas pelos equipamentos, identificando possíveis ilícitos de maneira rápida e eficiente.

Toda essa tecnologia, atrelada à vigilância constante dos funcionários da SAP, ajuda a coibir a entrada de eletrônicos e entorpecentes.

As pessoas flagradas tentando adentrar unidades prisionais com material ilícito têm o nome suspenso do rol de visitas da SAP e são imediatamente encaminhadas para a Delegacia de Polícia, onde é lavrado o Boletim de Ocorrência. A direção dos presídios envia comunicados para a Vara de Execuções Criminais, além de instaurar Procedimento Disciplinar Apuratório para averiguar o caso.