Estradas Ubatuba

Decisão de Bolsonaro poderá suspender uso de sete radares na Rio-Santos

Trecho federal da Rio-Santos em Ubatuba

O Presidente da República, Jair Bolsonaro, determina ao Ministério da Justiça e Segurança Pública, por meio de despachos publicados hoje (15) no Diário Oficial da União, que suspenda o uso de radares “estáticos, móveis e portáteis” até que o Ministério da Infraestrutura “conclua a reavaliação da regulamentação dos procedimentos de fiscalização eletrônica de velocidade em vias públicas”.

De acordo com o documento, a medida tem por objetivo “evitar o desvirtuamento do caráter pedagógico e a utilização meramente arrecadatória dos instrumentos e equipamentos medidores de velocidade”.

O despacho do presidente pede também que o ministério “proceda à revisão dos atos normativos internos que dispõem sobre a atividade de fiscalização eletrônica de velocidade em rodovias e estradas federais pela Polícia Rodoviária Federal.

Ao deixar o Palácio da Alvorada, nesta manhã, Bolsonaro destacou que os radares fixos, aqueles instalados em postes ao lado das rodovias, não entram nessa suspensão, pois o governo tem contratos com empresas que operam esses equipamentos. “Não vamos alterar contratos”, disse. O presidente já afirmou, entretanto, que a intenção é, ao fim do prazo, não renovar esses contratos.

Litoral Norte

No Litoral Norte, a medida de Bolsonaro, poderá suspender e desativar sete radares instalados no trecho entre a Praia Grande, em Ubatuba e a divisa com o Rio de Janeiro.

É o único trecho de rodovia federal no Litoral Norte. São 52 quilômetros entre a Praia Grande e a divisa com  a cidade de Paraty(RJ).

Neste trecho, existem sete equipamentos de controle de velocidade, conhecidos como lombadas eletrônicas, a maioria com limite de 40 quilômetros por hora.

Eles estão instalados em locais de travessia de pedestres, muitos solicitados por associações de bairros, devido aos riscos oferecidos pelos veículos que transitavam pelo local.

São os casos dos radares instalados em bairros como o  Puruba, para travessia de escolares  e entre as rotatórias da Praia Grande e o Perequê-Açu, onde é grande o número de pedestres que cruzam a pista em direção a praia ou aos outros bairros.

“Não sei o que levou o presidente a adotar essa medida, mas no caso de Ubatuba, essas lombadas foram instaladas em locais estratégicos, porque a velocidade que os carros passavam colocavam em risco a vida dos pedestres”, comentou um policial rodoviário que não quis revelar o nome.

Segundo ele, a Rio-Santos, no trecho federal ou estadual, corta bairros populosos, por isso, o controle de velocidade é importante. Com os radares, evitou-se muitas mortes, principalmente, por atropelamento, de moradores e ciclistas que cruzam a pista”, comentou.

O secretário de Segurança Pública de Ubatuba, Rubens Martins Franco Júnior afirmou que o Despacho do presidente da República não se refere a medidores de velocidade fixos, que já estão instalados em locais definidos por estudos técnicos e de caráter permanente, cujo funcionamento será mantido pelo órgão de trânsito. Segundo ele, a recente decisão alcança somente os medidores de velocidade estáticos, móveis e portáteis.

Bolsonaro deixou claro que quando vencer o contrato com as empresas que operam os radares fixos, eles não serão renovados, ou seja, esses radares instalados em Ubatuba deixarão de ser utilizados.

Rio-Santos 

Há muitos anos, a prefeitura de Ubatuba e o DNIT(Departamento Nacional de Infraestrutura em Transportes) tentam duplicar o trecho das rodovia federal que corta o trecho urbano de Ubatuba, mas a proposta não avançou.

Em 2015, a duplicação da BR 101 em Ubatuba seria, na época, uma das maiores obras de infraestrutura no Litoral Norte. Seriam duplicados cerca de 10km de extensão da rodovia, contando com 5 passagens elevadas, 3 rotatórias totalmente revitalizadas (Itaguá, Centro e Perequê Açu), 2 viadutos, além de pistas marginais de ambos os lados com ciclovias.

“Acredito que o maior ganho para nós moradores de Ubatuba será com relação à travessia da rodovia neste trecho urbano. Com as passagens e viadutos, bairros como a Estufa II, Jardim Carolina e toda a Zona Oeste terão um acesso mais fácil com o centro. Além disso, as ciclovias nas marginais irão tirar o trânsito de bicicletas da rodovia o que acabará com acidentes graves cada vez mais frequentes com o aumento de fluxo na pista”, comentou o prefeito Maurício Moromizato, na ocasião.

O assunto voltou a pauta em 2017, quando o atual prefeito Sato, reuniu-se com representantes do DNIT para tratar da duplicação do trecho federal que corta vários bairros de Ubatuba.

Sato se reúne com o DNIT em janeiro de 2017 para duplicar trecho federal e reduzir acidentes

O projeto previa 9.5 quilômetros de pista duplicada, com previsão para seis faixas – incluindo pista de acesso às marginais e pista principal de ambos os lados, além de ciclofaixas e calçadas. A pista se transformará em uma via contínua, com proposta de velocidade máxima de 80 km/h na via expressa e 40 km/h na marginal.

“O projeto vai trazer mais segurança e conforto para os usuários, além de desafogar o tráfego. Esperamos que os trâmites sejam rápidos para iniciar as obras o quanto antes”, declarou Sato, em 24 de janeiro de 2017.

Uma das vantagens é a separação do tráfego urbano da rodovia. “A ideia é tirar qualquer tipo de característica urbana da BR 101”, apontou Lúcia Oliveira, representante do DNIT. Outro fator relevante é o aumento da capacidade de tráfego da cidade em época de temporada. A proposta até hoje não foi viabilizada, segundo consta, por falta de recursos do governo federal e, também, pela possível privatização da rodovia Rio-Santos. Com Agência Brasil.

 

 

 

%d blogueiros gostam disto: