Geral São Sebastião

Márcia Tamasiro, de São Sebastião, foi o maior destaque individual dos Jogos da Polícia Federal no Maranhão

A sebastianense Márcia Tamasiro vive de desafios. Aposentada da Polícia Federal, ele tem se dedicado aos esportes. Aos 55 anos demonstra uma vitalidade impressionante. Na semana que passou, Márcia foi o maior destaque individual dos IV Jogos  de Integração dos Aposentados da Polícia Federal, disputados no Maranhão

Por Salim Burihan

A funcionária pública aposentada Márcia Tamasiro, de São Sebastião, foi o maior destaque individual dos IV Jogos de Integração dos Aposentados da Polícia Federal, disputados de 23 a 28 de julho, em São Luiz, no Maranhão. Atletas de 16 estados participaram dos jogos.

A atleta sebastianense de 55 anos foi a única representante do estado de São Paulo nos jogos. Márcia faturou sete medalhas de prata e uma de ouro representando o Estado de São Paulo.

Márcia ganhou quatro medalhas de prata no atletismo, nas provas de 1500m, 800m, 400 e 200m. Na natação faturou duas pratas nos 50 crawl e nado costa e uma medalha de ouro, no nado peito.

A atleta sebastianense foi a primeira colocada na categoria individual com 160 pontos; em segundo lugar, ficou Nara Lúcia Coutinho(CE), com 157 pontos; e, em terceiro lugar, Leontina Adriano de Souza(DF), com 152 pontos.

Na classificação por estados, Brasília(DF) ficou em primeiro lugar com 240 pontos. O estado de São Paulo, que teve apenas a participação de Márcia Tamasiro terminou na 15ª colocação.

Assista vídeo sobre a conquista da medalha de ouro por Márcio no nado peito:

Márcia

A sebastianense,  funcionária pública aposentada da Polícia Federal, sempre se dedicou aos esportes. Márcia Tamasiro conta que a inspiração veio da ginasta russa Nádia Comaneci, que nos anos 1970 encantava o mundo com uma técnica jamais vista e que lhe rendeu a primeira nota dez na história da ginástica artística.

“Nessa época, sentava em frente à televisão e ficava admirada com a performance dela. Até cheguei a participar de um desfile local como baliza”, relembra Tamasiro.

Ainda adolescente, a sebastianense acabou indo parar no basquete, já que não havia aulas de ginástica olímpica na cidade. E a primeira medalha veio cedo, em 1976, de segunda colocação. Do basquete, ela fez uma passagem pelo Karatê, onde conquistou sua segunda medalha, em 1981, de bronze.

No início dos anos 1990, Tamasiro começou a se dedicar à natação e à corrida, modalidades que acabou se identificou mais e que, anos depois, a fizeram ganhar centenas de pódios ao longo da vida.

“Iniciei a prática de corrida por conta de um concurso público que prestei na época. Passada a prova, continuei treinando, era próximo do dia 7 de setembro e havia um torneio famoso em São Sebastião. Meu filho me incentivou a participar e, como eu já estava treinando, decidi arriscar. Foi o primeiro ouro de muitos outros que viriam depois. Com o prêmio em dinheiro, comemoramos tomando sorvete na Rua da Praia”, conta.

 

Márcia disputa provas em várias modalidades

 

Quem vê Tamashiro andando pelas ruas com seus 53 kg e 1,58 de altura, percebe sua estrutura atlética, mas não consegue imaginar a competitividade e a força que ela tem. Maratona (42km), meia maratona (21km) e torneios mistos, que envolvem mais de uma modalidade esportiva, são fichinha para ela. “Já cheguei a ganhar três troféus em um único fim de semana”, comenta. Em natação, ela encara todo tipo de água: rios, represas, lagoas, mar e piscina.

Com excelente desempenho, as disputas passaram a ser de norte a sul do Brasil e fora, também. Japão, Estados Unidos, Espanha e Canadá são alguns dos países que viram a sebastianense mostrar sua garra.

“Tenho passagem pelos eventos esportivos mais famosos no mundo. Me recordo de uma medalha de ouro que ganhei em Orlando durante uma meia maratona. Como a contagem era em milhas, me atrapalhei e, quando dei por mim, já estava chegando”, relembra. Foi lá, inclusive, que ela mais subiu ao pódio em um único torneio internacional, conquistando nove ouros e seis pratas entre natação e meia maratona.

Outra modalidade que Tamasiro se tornou fera é a marcha atlética – meio-termo entre a caminhada e a corrida, que muita gente desconhece, mas que tem um estilo inusitado, marcado por passadas curtas e rápidas que geram um rebolado.

As regras são duras, é obrigatório, por exemplo, manter sempre um dos pés sempre no chão, e o joelho da perna que dá a passada não pode ser flexionado até que o movimento seja realizado por completo. Não são movimentos fáceis. Mas, como para Tamasiro missão dada é missão cumprida, a marcha atlética está no hall de seus esportes preferidos.

Com tantos talentos já desbravados, ela ainda está descobrindo novos. Aposentada há dois anos, a sebastianense passou a adicionar no seu dia a dia aulas de remo e de canoa havaiana. E não para por aí, Tamasiro também divide os seus dias com aulas de teoria musical, violão e teclado. “A gente está sempre aprendendo, né”, avalia.

Com mais de 500 pódios ao longo de quatro décadas, a atleta não consegue imaginar sua vida de outra maneira. “Não sei o que seria de mim sem o esporte, ele me traz vida”, define. Mesmo sem patrocínio, Tamasiro dá um jeito de participar das competições e segue firme servindo de inspiração para muita gente. Com Graciana Feitosa.