Caraguatatuba Cidades Notícias

Jovem atleta de Caraguatatuba vende doces para participar de competição de jiu-jitsu

Um jovem atleta de Caraguatatuba viu na venda de doces na rua uma chance para conseguir realizar seu sonho no esporte. Gustavo Henrique Brasil tem 17 anos e há um ano vende doces no estacionamento do Atacadão para custear os gastos de viagem e competições de jiu-jitsu.

Gustavo conta que a ideia partiu de seu cunhado, Daniel Vieira Moura Jr., que sugeriu que ele vendesse os doces para pagar as competições. Ele adorou a ideia e desde então não parou mais. O jiu-jitsu chegou em sua vida aos 11 anos, mas nessa época ele não levou o esporte tão a sério e os treinos eram somente por lazer. A partir de 2018, passou a treinar em busca de se tornar um profissional do esporte.

Nesses últimos anos, a coleção de medalhas só aumenta e o jovem atleta já acumula colocações importantes em diversos campeonatos. Somente em 2021, foi campeão paulista pela Confederação Brasileira de Jiu-Jitsu Esportivo (CBJJE) e vice-campeão do Abu Dhabi Jiu-Jitsu Pro, disputado no Rio de Janeiro.

A venda de doces é a forma que ele encontrou para que a limitação financeira não o impeça de chegar ao seu próximo desafio, o Campeonato da Confederação Brasileira de Jiu-Jitsu, no Rio de Janeiro. A competição está programada para os dias 24 de setembro a 3 de outubro e, para ele, é o campeonato mais difícil do Brasil. 

Para Gustavo Henrique, o esporte é lugar de acolhimento e esperança. “O esporte é onde eu encontro alegria, no jiu-jitsu tenho a oportunidade de ser alguém melhor”, relata.

Quando perguntado sobre ajuda da Prefeitura, o jovem relata que já conseguiu uma vez, em 2019 e nunca mais. Seus treinos e preparações são possíveis por ser bolsista do professor Ronaldo Reis, por contar com a ajuda do policial militar Jarbas e também da população, que compra suas mercadorias, o ajuda com incentivo, palavras e gestos de apoio. 

Quem quiser ajudar Gustavo a seguir competindo pode contatá-lo no (12) 98135-7790 ou pelo Instagram @queixinhobjj

*Texto: Claudinéia Silva